A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelece referências para os currículos escolares no País para os próximos anos, classificou a educação financeira e a educação para o consumo como habilidades obrigatórias entre os componentes curriculares.

DSOP Educação Financeira Base Nacional Curricular estabelece educação financeira como habilidade obrigatória

E escolas de todo o País voltam às aulas já cumprindo a regra. Com o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas, o tema é abordado de forma comportamental. As crianças aprendem a poupar e muitas até mesmo se lançam como empreendedoras para conquistar recursos para realizar seus sonhos.

Alunos empreendem

“Todos nós estamos poupando, fizemos a feira do empreendedor para realizar o sonho da nossa classe”, conta Caio Domingues, aluno do 3º ano do Colégio Saint Germain, de São Paulo. E os pais se envolvem na iniciativa, ajudando os filhos a economizar para conquistar o que desejam. Trata-se de hábitos e comportamentos, e não de cálculos matemáticos.

“A educação financeira é necessária para os brasileiros, portanto a iniciativa é muito relevante. Quando o tema é discutido desde a infância, nas escolas, os resultados são obtidos rapidamente e até mesmo as famílias são beneficiadas”, afirma Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira.

Famílias notam resultados

Tanto é que 7 em cada 10 das crianças quem têm aulas pelo Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas reagem bem a um revés financeiro, enquanto entre as que não tem, apenas 1 em cada 10 reage bem. Esse é um dos dados da 1ª Pesquisa de Educação Financeira nas Escolas, realizada em parceria entre o Instituto de Economia da Unicamp, por seu Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT), o Instituto Axxus e a Abefin.

Apenas em 2017, cerca de 96 mil alunos aprenderam educação financeira em sala de aula pelo Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. A abordagem é comportamental e não exata, levando a mudanças de hábitos tanto dos alunos, quanto de suas famílias. Não à toa, 9 em cada 10 famílias cujos filhos estudam o tema se reúnem para fazer o orçamento financeiro mensal, contra 2 em cada 10 dos que não estudam.

Mudança comportamental

“A disseminação da educação financeira gera empoderamento, já que os brasileiros passam a administrar seus recursos de forma consciente e sustentável. Aprendem a priorizar seus sonhos, frente aos gastos. E essas mudanças não dependem da utilização de planilhas e calculadoras, e sim de novos hábitos e comportamentos, que inclusive as crianças podem aprender”, conta Domingos.

Na BNCC, é indicada a abordagem de conceitos básicos de economia e finanças, como taxas de juros, inflação, aplicações financeiras (rentabilidade e liquidez de um investimento) e impostos, além do uso consciente de recursos naturais, como a energia elétrica, entre outros conceitos. Pelo Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas, tais temas são abordados, porém com abordagem comportamental.

DEIXE SEU E - MAIL E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS