DSOP Educação Financeira Finanças pessoais: educador financeiro dá dicas para começar 2017 sem dívidas

Planejamento financeiro é palavra de ordem para quem quer começar 2017 com as contas em dia. Educador financeiro pede ao consumidor que evite dívidas de longo prazo e o consumismo excessivo durante o Natal

O ano de 2016 foi complicado para todos os brasileiros e manter as finanças pessoais em dia tem sido uma tarefa árdua para muitos. O País tem mais de 12 milhões de desempregados, um número alarmante de inadimplentes e a perspectiva de uma recuperação, em médio prazo, a partir do segundo semestre de 2017.

Com todo esse contexto, conseguir se planejar e colocar em prática as finanças pessoais é de extrema importância, já que o próximo ano tende a ser complicado também. Somado a isso, essa semana tem a tentação da Black Friday e em pouco mais de um mês o Natal, o que pode tornar a vida do consumidor ainda pior caso ele esteja sem controle dos seus gastos.

É muito comum que grande parcela da população brasileira levar dívidas deste ano para 2017, mas o problema é que elas serão somadas a novas despesas como o IPVA, IPTU e outros impostos e despesas comuns do começo do ano. Se o consumidor não parar para encontrar uma forma de organizar as finanças, a tendência é que ele se perca em dívidas. “O primeiro passo é reunir a família e expor a atual situação financeira, no intuito de que todos possam colaborar para que 2017 ganhe novas cores na vida financeira. Proponham-se a realizar um diagnóstico financeiro, no qual todas as despesas e gastos serão anotados por 30 dias, a fim de analisar um a um e verificar o que pode ser reduzido ou até mesmo eliminado, nem que seja por um tempo”, explicou o educador financeiro e diretor da Unidade DSOP ABC, Edward Claudio Júnior.

O educador listou ainda algumas iniciativas que podem fazer com que o consumidor consiga colocar as finanças em dia e começar 2017 respirando aliviado.

1) Por maiores que sejam as facilidades de compra nesse momento, o consumidor deve observar a sua real situação financeira e projetá-la pelos próximos 12 meses, no mínimo, para ter certeza de que o que foi gasto não fará falta;

2) É importante fazer uma lista detalhada de quem quer presentear, o que gostaria de comprar, quais os preços praticados no mercado e fazer uma simulação de quanto pretende gastar nesse momento;

3) Ter ciência dos gastos de início do ano que vem (IPVA, IPTU, matrícula, material escolar, fatura de cartão, etc.) é essencial para poder se planejar para o fim deste ano;

4) Antes de sair às compras, vale a pena listar tudo o que já pensou e pesquisou para compar. Assim, se tem uma base e evita-se o descontrole, especialmente diante de promoções, gastando mais do que poderia – e deveria;

5) Se for possível, uma ótima saída é antecipar ou postergar as compras de Natal. Se fizer com antecedência, é possível guardar dinheiro, pagar tudo à vista, com desconto e ainda, de quebra, evita as grandes aglomerações e estresse. Caso decida postergar, há diversas promoções no período pós Natal, pois é uma época em que o comércio está bastante frio e busca tentar acabar com o estoque;

6) É recomendado que se faça, pelo menos, três cotações dos produtos ou serviços que se deseja consumir. A internet facilita muito esse trabalho, mas nem sempre é garantia de menor preço;

7) O maior conselho nesse momento é evitar parcelamentos, principalmente os de longo prazo. Em caso de impossibilidade de pagamento à vista, faça parcelas curtas e negocie os juros. Não se esqueça de que essas parcelas serão somadas com outras já existentes em seu orçamento;

8) Lembre-se! As festas de fim de ano são momentos para estar próximo à família e aos amigos. A troca de presentes é divertida, porém o mais importante é o espírito festivo dessa época e manter a nossa saúde física, mental, espiritual e, claro, as suas finanças pessoais em dia!

Fonte: http://economia.ig.com.br/2016-11-21/financas-pessoais-em-dia.html

DEIXE SEU E - MAIL E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS