Economia
Tendência

A Inflação verdadeira leva brasileiros ao ‘nocaute financeiro’! 

Você sabe o que é o nocaute financeiro que os brasileiros estão sofrendo? Podemos resumir que a capacidade de compra está levando uma verdadeira surra em relação aos aumentos. Saiba tudo sobre esse assunto no artigo de hoje.

Por | Paulo Paquera

O trabalhador brasileiro está sofrendo um “nocaute financeiro” diante da realidade econômica atual.

Segundo informação publicada recentemente (04 de maio) no Portal G1, com o impacto da inflação oficial de março de 2017 até março de 2022, o Real perdeu 31,32% de seu valor e poder de compra.

Em outras palavras, com o mesmo valor o brasileiro consegue comprar hoje apenas dois terços do que comprava antes.

O que representa o nocaute financeiro na vida do brasileiro

Analisando essa notícia acima fica a pergunta: Será mesmo que essa inflação oficial declarada pelo Governo Federal reflete na verdadeira oscilação de preços junto aos compromissos do dia a dia da família brasileira nestes últimos 5 anos? 

Certamente que a resposta é não! Se fizermos uma simples comparação de quanto você comprava, com R$ 100,00 no início de 2017, com o que compra no início de 2022, certamente vai constatar que a perda da capacidade de compra foi de aproximadamente 80%. 

Em outra comparação destes últimos 5 anos, agora junto ao mercado internacional, usando o mês de janeiro de 2017, quando o um dólar valia R$ 3,14, comparado com janeiro de 2022, que valia R$ 5,30, a perda junto ao mercado internacional foi de aproximadamente 60%.

Ou seja, se uma pessoa tivesse investido nessa moeda estrangeira, hoje estaria mais rico em 60%. Mas, simples investimentos não são práticas e tão pouco uma realidade para 95% das famílias brasileiras. 

Para agravar ainda mais a situação, temos os aumentos nos preços dos combustíveis, a gasolina estava em janeiro de 2017 com o valor de R$ 3,72 o litro, hoje é praticado no Brasil um preço médio de R$ 7,00, ou seja, aproximadamente 100% de aumento. 

O nocaute financeiro e o “efeito dominó”

Estes aumentos provocaram repasses sucessivos em todas as áreas de consumo como alimentação, vestuário, educação, lazer, etc.

Por outro lado, os aumentos salariais não tiveram elevações acumuladas superiores à 30% nesses últimos 5 anos, o que leva a um “nocaute financeiro dos brasileiros”, ou seja, a capacidade de compra está levando uma surra em relação aos aumentos. 

O desafio agora é como vencer esse desnível. E para isso não se pode fugir da realidade, buscando soluções com aumento dos ganhos com rendas extras, por exemplo.

Ou fazer uma grande faxina financeira e adequar a realidade a um novo padrão de vida. Nesse último caso é imprescindível envolver toda família e buscar por ação imediata. 

É preciso colocar as mãos na massa, não se pode ficar apático esperando por um milagre ou uma mudança na economia que não acontecerá. Assim é preciso que os gastos sejam reduzidos para patamares que possam estar em equilíbrio com os ganhos. 

Os desperdícios são grandes vilões financeiros

Pode parecer complexo, mas os excessos e desperdícios podem chegar a representar, incríveis 50% de todos os gastos familiares, considerando itens essenciais como água, luz, combustível, vestuários, etc.

Outro ponto de destaque são os investidores com dinheiro aplicado, que também perderam poder aquisitivo e seus rendimentos financeiros (juros) não estão sendo totalmente repostos frente à verdadeira inflação. Nenhuma aplicação consegue repor a perda do valor do dinheiro. 

Para comprovar isso, temos uma ação que o próprio Governo Federal deu, com o lançamento em 2020 da nova nota de R$ 200,00. Isso consolida de vez a perda do valor da moeda Real. 

Essa situação financeira traz a certeza de que ninguém vai resolver o desequilíbrio financeiro no lugar da população, apenas as próprias pessoas, junto com seus familiares. A mudança está em entender que o dinheiro não aceita desaforo.

Em momento de alta da inflação é preciso tomar atitudes que reduzem os impactos da perda do poder aquisitivo, trocando de marcas, mudando os locais de compras ou outras ações. Sempre existe uma forma de comprar melhor e com economia verdadeira.

As famílias podem até mesmo estarem sofrendo ‘um nocaute financeiro’, mas como um pugilista ainda é possível levantar e reverter essa situação.

Mas, isso requer muita atenção e mudança de comportamento e hábitos financeiros. 

Um dos grandes antídotos e agentes motivadores para que todos os familiares se engajem nessa empreitada são os sonhos e propósitos (que dever ser individuais e coletivos). Por isso a importância da prática da educação comportamental financeira na mudança de vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo