ArtigosImprensaReleasesÚltimas Notícias

Ações simples para controlar as finanças nesse fim de ano

Fim de ano é tempo de fazer planos para o futuro, principalmente em relação as finanças. Aproveite para reunir a família, inclusive as crianças, para conversar sobre o que querem realizar no futuro. Definam pelo menos três sonhos prioritários que tenham diferentes prazos a serem realizados: curto (em até um ano), médio (em até dez anos) e longo (acima de dez anos). Acredite, esse será um fator de motivação, um grande estímulo para ajustar e conduzir o orçamento familiar.

Além disto, veja mais algumas importantes orientações em relação ao tema, que mostram como economizar:

Evite compras por impulso: Algumas perguntas devem ser feitas antes de comprar, como: estou comprando por necessidade real ou movido(a) por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Se não comprar isso hoje, o que acontecerá? Tenho dinheiro para comprar à vista? Se comprar a prazo, terei o valor das parcelas? O acúmulo de parcelas colocará em risco a realização dos sonhos que priorizei com a família?

Pesquise preços e compre à vista: Pode parecer difícil, mas, com planejamento dá para comprar à vista tudo aquilo que deseja. Quem poupa dinheiro e pesquisa o melhor preço, paga menos e tem grandes chances de conseguir bons descontos. Lembre-se, as prestações também são formas de endividamento.

Peça descontos: Um grande problema do brasileiro é a vergonha na hora de negociar, assim, deixe isso de lado, não há problema nenhum em buscar o melhor preço. Se um produto custa mil reais e pode ser parcelado em 10 vezes de 100 reais, certamente à vista custará de 10% a 20% menos.

Retenha 10% dos rendimentos: Para começar a construir a independência financeira, é preciso guardar cerca de 10% daquilo que ganha. Com o tempo, pode-se partir para um plano de previdência privada e conseguir complementar a aposentadoria pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Se atente às dívidas: É importante sempre investigar o que o leva a gastar mais do que ganha, deixando assim de poupar para a realização de sonhos. Partir para a renegociação ou buscar acordos com o(s) credor(es) sem antes saber qual é a sua real capacidade de pagamento, sem cortar excessos ou ajustar o orçamento ao verdadeiro padrão de vida, é um grande risco, além de uma medida paliativa que apenas atrasa a solução do problema.

Reinaldo Domingos está a frente do canal Dinheiro à Vista . É PhD em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin – https://www.abefin.org.br) e da DSOP Educação Financeira (https://www.DSOP.com.br). Autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira .

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo