Artigos

Alta do dólar tem reflexo direto na vida do consumidor

O dólar já está em R$2,26. O governo interfere como pode para amenizar os impactos causados pela alta da moeda americana na vida da população. No entanto, muita gente não percebe como a notícia influencia nas finanças do dia a dia.

Os reflexos são maiores do que muitos imaginam. Por um lado, as empresas e indústrias nacionais se beneficiam da situação, uma vez que, com a alta do dólar, o poer de competitividade nas exportações aumenta. Já para as companhias que praticam importação os gastos são maiores e, por isso, o valor final do produto também encarece.
Portanto, o momento é de alerta. Os consumidores devem prestar atenção aos preços e se planejarem, para que as consequências não sejam negativas no final do mês. Se, por um acaso, estava estudando a aquisição de algum produto importado, repense. Recomendo deixar a compra para outra hora, a não ser que seja algo de improrrogável.
Quem havia planejado viajar para o exterior nessas férias, deve ficar atento à algumas questões, como, por exemplo, compras no cartão de crédito. A conta final vai sair mais cara, já que, além do Imposto sobre Operações Financeira (IOF), você pagará a mais pela conversão do valor da moeda com a nova cotação.
Se essa é a sua situação, aconselho que, para a viagem, leve, apenas, 20% do valor total em espécie; os outros 80%, coloque em um cartão pré-pago. Essa prática traz mais segurança e ajuda a controlar os gastos, não deixando que o sonho das férias se transforme em um pesadelo.
Não se esqueça de levar em torno de 40% a mais de reserva para situações emergenciais. Ninguém está livre de imprevistos. Agora, se a viagem não estava nos planos, é melhor planejá-la com mais calma e esperar o dólar baixar. Se quiser ler mais dicas de como fazer um orçamento financeiro, leia o livro Terapia Financeira, de minha autoria, publicado pela Editora DSOP.
Situações que modificam a nossa rotina e interferem em nossas finanças, assim como a alta do dólar, podem acontecer a qualquer hora. É obrigação do governo combater os problemas que surgem, mas também é nosso dever ser a melhoria que queremos ver no país. Eduque-se financeiramente e garanta não só um presente mais tranquilo para você e sua família, como também uma geração futura mais consciente, que priorize a realização dos sonhos.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo