É impressionante como é vaga a consciência da maioria das pessoas no que se refere ao dinheiro e a sua relação com a realização dos sonhos. Mais impressionante ainda é a pouca atenção que as pessoas dão aos seus sonhos, não conseguindo defini-los ou muito menos descrevê-los.

Os sonhos são simplesmente os desejos veementes, vivos e intensos que todas as pessoas têm ou podem vir a ter por algo. Estes sonhos fisicamente falando são todas as invenções criadas no decorrer do desenvolvimento humano para facilitar e prover maior conforto e qualidade de vida ao homem, e dadas às circunstâncias atuais são as que mais afetam o dia a dia das pessoas, pois elas buscam ardentemente possuir e consumir cada vez mais destes bens. Num contexto mais intelectual e emocional poderíamos citar o conhecimento, o bem-estar, a segurança, o reconhecimento, a realização financeira, enfim, todas as formas de felicidade que constantemente buscamos, mas que são cada vez mais raras em nossas vidas.

Mas o que afinal de contas nos força a não pensar em nossos sonhos? Nas muitas conversas que já tive sobre a educação financeira, na minha vida acadêmica e profissional pude perceber que simplesmente nós não pensamos neles. Nunca fomos questionados a fazê-lo por nossos pais e professores por isso os sonhos não se tornaram importantes em nossas mentes, nos ocupamos com a rotina diária e vivemos um dia após o outro até que algo acontece e despertamos da inércia.

Muitas pessoas conseguiram romper a inércia a que foram submetidas. Um bom exemplo é o nadador Michael Phelps que conseguiu a proeza de alcançar o Recorde de 8 medalhas na mesma edição olímpica, e porque não lembrar Luis Inácio Lula da Silva, um metalúrgico de baixa escolaridade que se tornou Presidente do Brasil e é reverenciado em muitos países ou ainda, Santos Dumont que contrariando a todos criou uma das mais incríveis invenções do homem, Zilda Arns Neumann cujo programa reduz a mortalidade infantil em muitas regiões do Brasil de outros países, Inezita Barroso (87 anos) que trabalha para que não se perca culturalmente a música sertaneja de raiz e teríamos outros milhares de exemplos de pessoas que seguiram seus anseios mais íntimos e realizaram seus sonhos.

Mas qual seria o fator fundamental para que conseguíssemos realizar nossos sonhos? Na minha opinião deveríamos deixar de ouvir aquela voz irritante que ecoa em nossos pensamentos e que nos diz a toda hora: “isso não vai dar certo”, “se fosse fácil assim muita gente já teria feito”, “eu não consigo”, “eu não posso”, “eu não quero” e começar a acreditar que tudo pode ser possível e depende da energia que dedicamos a sua realização, mas já vou avisando é muito mais fácil não fazer nada.

E se decidir por se dedicar de corpo e alma na empreitada o prazer de ver seu sonho realizado será indescritível e servirá de combustível para realização de muitos outros. Eu utilizo desde março de 2011 a Metodologia da DSOP Educação Financeira, uma organização que se dedica na disseminação da Educação Financeira no Brasil e no mundo.

A Metodologia se baseia em quatro pilares: Diagnosticar (D), Sonhar (S), Orçar (O) e Poupar (P) e unidos se transformam numa ferramenta altamente eficaz no planejamento, na condução e na realização de seus sonhos, bem como na sua saúde financeira.