Em fevereiro, foi registrada a menor taxa de desemprego para o mesmo período desde 2002: 5,1%. Com essa nova realidade – de mais pessoas empregadas –, se faz muito necessário aquela discussão que sempre trago aqui: como lidar com as finanças; como fazer com que o novo trabalho represente o fim dos problemas financeiros?

A inexperiência no trato com o dinheiro, os impulsos consumistas e a facilidade em obter crédito fazem com que seja crescente o número de brasileiros endividados. Combater essa situação, organizando as finanças, é bastante complicado. Para quem se encontra nessa situação, recomendo a leitura de meu livro Livre-se das Dívidas (Editora DSOP), no qual aprofundo essa questão, dando algumas dicas, como:

Primeiro, o novo assalariado deve fazer um diagnóstico de sua vida financeira. Por ter ficado algum tempo desempregado, é muito provável que se encontre endividado. Nesse caso, é importante ter em mente que o fim dessas dívidas deve ser priorizado. Deve-se fazer uma análise das que possuem taxas de juros mais altas para negociá-las prioritariamente.

Tendo a estabilidade de um emprego, a pessoa também terá uma arma a mais para negociar com seus credores a redução dos juros e taxas dessas dívidas e alongar as parcelas. É importante que as prestações sejam inclusas no orçamento mensal. Se não possuir dívidas, é provável que a pessoa pense: “ganhei o primeiro salário! Vou comprar aquele produto que sempre tive vontade!”.

Contudo, apesar dessa ideia parecer muito boa, ela pode ser um grande erro, pois é fundamental saber o real valor do dinheiro que recebe para que atinja seus sonhos.

Você pode pensar, “qual a relação do dinheiro com os meus sonhos?”. Muito simples, os sonhos podem ser os mais variados – independência financeira, viagem para o exterior, compra da casa própria ou o primeiro carro –; entretanto, todos dependem de uma coisa em comum: a necessidade de poupar dinheiro para realizá-los. Assim, antes de começar qualquer controle financeiro, é importante ter noção de sua situação atual e estabelecer os sonhos que deseja atingir.

A partir disso, deve iniciar um controle diário de todos os gastos. É importante que sejam inclusos, até mesmo, os gastos que consideram irrelevantes, como gorjetas, cinema, suco e cafezinho. São nessas pequenas ações que ocorre o desequilíbrio financeiro. Outro alerta muito importante é a necessidade de evitar gastos desnecessários, gastando mais do que se pode com festas, bares e viagens ou roupas e assessórios. A questão não é se privar desses prazeres, e sim de controlá-los.

Uma dica para diminuir os gastos é não comprar por impulso. Sempre pense: “o que essa compra agregará para mim? Posso deixar esse desejo para depois?”. Se não for relevante, não faça. Se for, deve sempre realizar uma pesquisa de preços e negociar para abaixá-los o máximo possível. Uma ótima forma alternativa é negociar o preço à vista e, depois, parcelar esse valor.

Essas ações são apenas uma pequena mostra do que se deve saber para lidar adequadamente com o seu novo salário. Nunca é tarde – nem cedo – demais para o início do caminho para a independência financeira; entretanto, para conquistá-la, é necessário sonho, disciplina, perseverança e atitude.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD. em Educação Financeira, escritor, educador e terapeuta financeiro. Presidente da DSOP Educação Financeira, da Editora DSOP e da Abefin, publicou o best-seller Terapia Financeira, o recém lançado Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar e os livros Livre-se das Dívidas, Mesada Não É Só Dinheiro, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Eu mereço ter dinheiro!, Papo Empreendedor, Sabedoria Financeira e a série O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável e Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos, O Menino, o Dinheiro e a Formigarra. Mais de 4,5 milhões de exemplares de suas obras já foram vendidas.