A população no geral não foi educada financeiramente e, por isso, os índices de endividamento e até inadimplência continuam altos. Para mudar essa situação em longo prazo, o foco deve ser implantar programas de educação financeira nas escolas, construindo uma geração mais consciente no futuro. Mas é possível começar agora uma mudança de comportamento dentro de casa, evitando gastos excessivos nesse fim de ano.

Os filhos se espelham nos pais, por isso, é importante dar o exemplo, e são os pequenos gestos que fazem a diferença. Por exemplo, o cafezinho, a gorjeta e o doce depois do almoço são itens de pequeno valor, mas que, no entanto, podem desestabilizar o orçamento. Isso porque não costumamos anotar nossos gastos e, muitas vezes, não sabemos onde foi parar o dinheiro.

Controlar as despesas, por menores que sejam, é um bom começo para o processo de mudança de hábito. E, assim, as crianças acabam, desde pequenas, seguindo o mesmo caminho e acostumando-se a administrar melhor o dinheiro que passará por suas mãos ao longo da vida. Isso ajudará muito a família como um todo a economizar nas compras de Natal.

Quem nunca foi ao shopping e acabou gastando bem mais porque teve que levar os pequenos junto? A solução para esse problema, entretanto, não é deixá-los em casa, mas sim educá-los – e se reeducar – financeiramente. Acredite, elas entendem muito mais do que imaginamos e a consequência é um passeio mais agradável, sem constrangimentos, aborrecimentos e gastos excessivos.

Antes de sair de casa, junte toda a família para fazer uma lista dos presentes que pretendem comprar, incluindo o valor que podem gastar com cada um deles.

Assim, fica mais difícil se render aos impulsos consumistas e aos apelos publicitários, que, por sinal, costumam ser agressivos nessa época do ano. As condições de pagamento facilitadas também nos fazem consumir mais, por isso, o ideal é comprar à vista e conseguir bons descontos.

Mas, para isso, é preciso ter dinheiro guardado especialmente para essa finalidade, algo que a maioria das pessoas não tem. Sendo assim, se for parcelar, é preciso tomar alguns cuidados, como saber se vai ter a quantia necessária durante os meses em que vier a cobrança, e se esse valor a mais por mês não vai encavalar com outras despesas – como IPTU, IPVA, matrícula escolar, etc. –, comprometendo o orçamento.

Caso as crianças ganhem mesada e queiram comprar alguma lembrancinha para o Natal – o que é uma atitude normal, pois elas se sentem “adultas” quando adquirem algo com o seu próprio dinheiro –, deixem que ela o faça, mas sempre ensinando-as a gastar com consciência e mostrando que o mais importante do Natal não são os presentes, e sim a união e a confraternização.

Não é difícil passar esse período de festas “de bem” com as finanças e começar o ano sem grandes problemas, basta toda a família estar focada no mesmo objetivo e respeitar o padrão de vida.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD. em Educação Financeira, escritor, educador e terapeuta financeiro. Presidente da DSOP Educação Financeira, da Editora DSOP e da Abefin, publicou o best-seller Terapia Financeira, o recém lançado Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar e os livros Livre-se das Dívidas, Mesada Não É Só Dinheiro, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Eu mereço ter dinheiro!, Papo Empreendedor, Sabedoria Financeira e a série O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável e Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos, O Menino, o Dinheiro e a Formigarra. Mais de 4,5 milhões de exemplares de suas obras já foram vendidas.