Você tem conseguido esticar seu dinheiro para evitar o endividamento? Como anda seu consumo em casa? Refiro-me às despesas domésticas, principalmente as de alimentação, que não tem como fugir.

Vivemos para consumir ou consumimos para viver? Em reuniões familiares, o que mais se escuta ultimamente é sobre o alto custo de vida; o quanto está ficando caro o supermercado, o sacolão, o açougue, etc.

Um estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2015 indica que 42% dos brasileiros consideram que sua renda diminuiu nos últimos 12 meses. No mesmo período, 59% perceberam piora no poder de compra.

Quanto mais difícil o dinheiro, mais cuidados devemos ter ao definir onde e como vamos gastá-lo. Sabia que muita gente joga o dinheiro no lixo?! Vão a supermercados, padarias e sacolões e compram diversos produtos. Mas, na verdade, muitas vezes, grande parte destas compras indevidas vão para o lixo. Produtos comprados em excesso, em duplicidade, porque estava em promoção, etc. e muita gente comprando estes itens pagando juros no cartão de crédito ou outra forma de empréstimo. É importante aprendermos a valorizar cada centavo do que se ganha e gastar com qualidade.

Então seguem algumas dicas:

1) Antes de ir ao supermercado, faça uma lista do que realmente está faltando no seu armário ou sua geladeira; e atenha-se a esta lista na hora da compra;

2) Sabe aquelas frutas que você comprou e que não consumiu? E que se ficar para amanhã ou depois elas vão estragar? Então: descasque-as (as que forem de descascar), pique e congele. Com isto. poderá fazer vitaminas e sucos sem desperdiçar nada;

3) O que está no seu armário que comprou recentemente e ainda não consumiu? Enlatados, massas e produtos perecíveis, por exemplo. Se notar que não dá mais tempo de consumir, pois a data de vencimento está próxima, pense em alguém da própria família que possa compartilhar para não perder;

4) Sabe aquelas carnes que estão congeladas há tempos? Veja quais poderão ser consumidas imediatamente para não estragar. Se for grande a quantidade, também deverá ser compartilhada. Este conceito de compartilhar tem tudo a ver com o consumo colaborativo. O que vai, volta. Se hoje passo para frente o que está sobrando para mim, outra hora pode voltar este mesmo feito para mim.

Elisabete Carvalho
Educadora Financeira da DSOP Educação Financeira

Educadora Financeira DSOP;
Sócia-diretora da empresa Objetiva Consultoria, Treinamentos e Projetos Ltda.;
Graduada em Letras e Administração;
Pós-graduada em Gestão de Pessoas (PUC-Minas);
Mestra em Administração pela Universidade Pedro Leopoldo-MG.
Atua com consultoria e treinamentos nas áreas de empreendedorismo e recursos humanos; desenvolvimento territorial e Associativismo há mais de 12 anos; foi professora em curso técnico do SENAC-MG; consultora e multiplicadora do SEBRAE nas áreas de empreendedorismo no ensino; exerceu cargo de gerente em empresas de médio porte conhecendo a realidade na área de gestão de pessoas; foi agente de desenvolvimento trabalhando com projetos de desenvolvimento local junto aos três segmentos: poder público, iniciativa privada e terceiro setor.