As informações em relação às finanças dos brasileiros são assustadoras. Atualmente, cerca de 58 milhões de pessoas estão inadimplentes, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

O número representa um terço da população economicamente ativa. Esse é apenas um dos dados que mostram os problemas que a população enfrenta com a falta de educação financeira e o incentivo ao consumo desenfreado, mostrando a importância de combater imediatamente esse problema, principalmente, as causas.

Um ponto muito importante em relação a esse tema é saber diferenciar os termos dívidas e inadimplência, sendo que estar endividado não é necessariamente um problema, o problema começa quando se perde o controle, não consegue honrar com esse compromisso financeiro e se torna inadimplente. Em função disso, ocorrem cobranças, tendo até o risco do consumidor ter seu nome em lista de devedores de alguns órgãos, como Serasa e SPC.

Movido por essa situação, a DSOP lança o curso EaD Como quitar suas dívidas, ministrado por mim, a fim de promover uma verdadeira transformação de hábitos e comportamentos, combatendo a causa da geração da dívida, não apenas seus efeitos. Veja o vídeo explicativo sobre o curso sobre o curso.

Preparei abaixo uma pequena amostra do conteúdo do curso, explicando como resolver os problemas de endividamento e inadimplência e como não ficar novamente nesta situação.

1. Antes de sair negociando é preciso ter pleno domínio do seu dinheiro, fazer um diagnóstico financeiro, registrando o que se ganha, o que se gasta, conhecer seu verdadeiro eu financeiro.

2. Faça um apontamento de despesasdiárias por tipo de despesas pelos próximos 30 dias é o caminho para que fique tudo mais claro, somente assim poderá cortar gastos e reduzir excessos.

3. Muitas vezes é importante dizer “devo, não nego, pago, como e quando puder” nunca se deve procurar um credor (pessoa para quem você deve) antes de ter domínio completo de seu dinheiro.

4. É preciso ter muita calma quando se está inadimplente, estar endividado nem sempre é um problema, o problema é quando não se consegue pagar este compromisso.

5. A portabilidade é uma das ferramentas para reduzir o endividamento, procure por linhas de créditos mais baixa, mas é importante frisar que isso não resolve a causa do problema.

6. No planejamento para pagar as dívidas priorize as que têm os juros mais altos, geralmente as de cartão de crédito e cheque especial.

7. Na hora de negociar, se for parcelar as dívidas, tenha certeza que as mesmas cabem em seu orçamento.

8. Saiba que para pagas às dívidas atrasadas terá que repensar seu padrão de vida, pois, se já se endividou com o que ganha, isso reduzirá nos próximos meses com as parcelas.

9. Não existe uma porcentagem exata de quanto terá que direcionar para pagar as dívidas, isso dependerá do diagnóstico financeiro feito previamente.

10. Além de pagar as dívidas, procure guardar dinheiro para comprar a vista e com algum desconto, o sonho da independência financeira passa por respeito ao dinheiro, entender que dinheiro é meio e não fim.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD. em Educação Financeira, escritor, educador e terapeuta financeiro. Presidente da DSOP Educação Financeira, da Editora DSOP e da Abefin, publicou o best-seller Terapia Financeira, o recém lançado Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar e os livros Livre-se das Dívidas, Mesada Não É Só Dinheiro, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Eu mereço ter dinheiro!, Papo Empreendedor, Sabedoria Financeira e a série O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável e Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos, O Menino, o Dinheiro e a Formigarra. Mais de 4,5 milhões de exemplares de suas obras já foram vendidas.