Diante da crise que o país se encontra e de muitas informações que às vezes são desencontradas ou fora do contexto, é muito comum as pessoas ficarem em dúvida sobre onde investir.

É verdade que a crise econômica e política influenciam as rentabilidades de alguns investimentos, mas também é verdade que, diante de tudo isso, existem muitas oportunidades, principalmente pelo fato de que o Brasil tem a maior taxa de juros interna do mundo.

Mas antes mesmo de procurar o melhor investimento para fazer nesse momento, você deve se atentar a alguns fatores, afinal de contas, essa é uma pergunta que não existe uma resposta correta e você deve ser capaz de analisar os investimentos e investir de acordo com o seu planejamento e com os seus sonhos, analisando bem as possibilidades para entender qual é a que combina melhor com você e as suas expectativas.

Você provavelmente já ouviu alguém dizer que esse é o momento para comprar ações, porque o mercado está em baixa e é bem provável uma possível valorização em um curto espaço de tempo. Mas, se esse é um mercado que você não conhece, um investimento fora do seu perfil por conta da volatilidade (variação nos preços), por que você vai investir o seu dinheiro, correr um risco que você não tem a real dimensão e perder noites de sono acompanhando as notícias do mercado?

Então, antes de acatar uma recomendação de investimento, analise o seguinte:

1. Qual é o seu “perfil de investidor”? Existem basicamente 3 tipos: conservador, moderado e agressivo/arrojado. Conhecer o seu perfil vai te ajudar a descobrir investimentos que estejam de acordo com o risco e retorno aos quais você esteja apto. O investidor conservador prefere evitar qualquer tipo de risco para manter o patrimônio, o moderado aceita correr um pouco de risco em busca de retorno maiores que a inflação, por exemplo, e o investidor agressivo/arrojado aceita correr mais risco em busca de mais rendimentos;

2. O que você irá fazer com o valor aplicado? Saber exatamente qual é o seu objetivo (o que você vai fazer com o valor aplicado) te ajudará a manter o investimento até que esteja na hora de realizar o sonho, evitando com isso resgates desnecessários quando surgir algum imprevisto;

3. Não invista baseado em notícias de jornal: além de muitas notícias serem sensacionalistas, parte das recomendações dos grandes portais podem não levar em conta o seu perfil de investidor e os seus objetivos financeiros;

4. Procure aprender educação financeira, pois isso vai te ajudar a mudar seus comportamentos de consumo, criar novos hábitos para poupar e investir melhor e encontrar mais recursos;

5. Se tiver dúvidas, procure um especialista e não o gerente da sua conta. Não que ele seja uma má pessoa, mas ele está ali para te vender produtos ou investimentos apenas do banco que ele trabalha, e ele tem meta para isso, então é melhor buscar ajuda de especialistas financeiros ou planejadores financeiros; eles não terão vínculos com o banco e podem te passar informação com mais imparcialidade.

Deu pra percebeu que somente você pode dizer qual é o melhor investimento para fazer? Mesmo sem ter muito conhecimento, não é algo difícil de se conseguir fazer, nem nada de outro mundo. Converse, leia, pesquise e, principalmente, se conheça; isso fará com que o seu investimento seja o melhor diante da crise.

Leandro Silva Ferreira
Educador Financeiro da DSOP Educação Financeira

- Educador Financeiro e Palestrante DSOP;
- Graduado em administração de empresas pela Faculdade das Américas (FAM);
- Pós-graduação em Estatística Aplicada pela Faculdade Metropolitanas Unidas (FMU);
- Certificação de Especialista em Investimento ANBIMA (CEA);
- Certificação CPA-20 ANBIMA;
- Consultor Financeiro pessoal e familiar.