Na última semana, saiu o segundo lote de restituição do IR 2016, e a pergunta que fica é “o que fazer com o dinheiro?”. Em primeiro lugar, você precisa fazer um diagnóstico pra ver como está a sua situação financeira no momento.

Caso esteja inadimplente, com uma dívida que cresce a cada dia por conta dos juros, busque quitá-la, se isso for possível, ou ao menos amortizar o valor principal, pois é ele que impacta diretamente nos juros cobrados. Sempre é bom lembrar que, com dinheiro na mão, você passa a ter poder de negociação. Peça isenção total dos juros para o pagamento à vista dessa dívida. O credor quer receber e o quanto antes pra ele melhor. Use isso a seu favor.

Agora, se não tem nenhuma dívida que esteja “crescendo como um bolo no forno”, o melhor a fazer é poupar esse dinheiro. Se você precisa de liquidez (ter o dinheiro disponível a qualquer momento), procure a Caderneta de Poupança ou um CDB de liquidez diária.

Agora, se não tem pressa, você pode usar essa quantia pra fazer crescer outro bolo: o dos rendimentos. Só tome o cuidado de analisar qual é o melhor investimento, tanto em rendimento, quanto em relação ao período que esse dinheiro vai ficar “preso”, pois os investimentos que pagam mais, são aqueles que possuem data futura de retorno, ou seja, antes desse prazo você não consegue sacar o dinheiro.

Então nunca esqueça desse detalhe: rendimento alto é muito bom, mas tenha sempre alguma carta guardada na manga, uma aplicação com liquidez disponível a qualquer momento. É melhor prevenir do que remediar.

Boa sorte!

Sandro Costa Mattos
Educador Financeiro da

Sandro da Costa Mattos é Pós-Graduado com MBA em Administração de Finanças e Banking pela UNIP, Graduado em Ciências Biológicas pela Unicapital, Técnico Contábil (ensino médio), Educador Financeiro formado pela DSOP e associado à Abefin – Associação Brasileira de Educadores Financeiros.
Tem 25 anos de experiência no setor financeiro de empresas, especialmente nas áreas de tesouraria, contas a pagar, contas a receber e crédito.
Há 08 anos atua como gestor financeiro em empresas de pequeno e médio portes e desde 2012 é Coordenador Financeiro do Grupo Glória Mundi de Alimentação Corporativa, com unidades espalhadas por todo o Brasil.
Realiza palestras, workshops, treinamentos e atendimentos individuais e familiares sobre educação financeira.