educacao-financeira-controle-de-gastos

Vejo que as pessoas estão bastante preocupadas com as despesas de dezembro, o que é normal, já que é o momento em que estamos vivendo, mas quando falamos de educação financeira, falamos de planejamento a curto, médio e longo prazo. Por isso quero trazer orientações para organizar seu orçamento dos primeiros meses do próximo ano.

Abaixo, listo os principais gastos do período e orientações para definir a melhor forma de pagamento de cada um deles, para não começar 2017 no vermelho:

IPVA e IPTU:

Muitos não sabem o significado dessas siglas, então vamos lá: IPVA é referente ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores e IPTU diz respeito ao Imposto Predial e Territorial Urbano.

É comum que haja descontos para quem paga esses impostos à vista, mas antes de tomar qualquer atitude é importante ter total conhecimento de sua situação atual. De nada adianta conseguir descontos nesses pagamentos e ter que se endividar para pagar as demais despesas do período.

Você sabia que aposentados e pensionistas podem conseguir a isenção de pagamento do IPTU? Para tanto, é preciso se enquadrar em alguns parâmetros, então vale a pena procurar saber como isso funciona em cada região.

Matrícula, uniforme e material escolar:

Essas são despesas recorrentes, que precisam fazer parte do planejamento a cada ano. Para que os gastos não fiquem muito pesados em janeiro, é válido poupar durante todo o ano para conseguir fazer os pagamentos à vista e obter bons descontos.

Antes ir às compras, a família pode analisar itens do ano passado e selecionar tudo o que pode ser usado novamente este ano, como blusas de frio e mochilas, por exemplo. No caso dos livros, vale a pena procurar pais de alunos mais velhos para emprestar ou comprar por um preço mais acessível, se estiverem em boas condições de uso.

Algo interessante é reunir alguns pais e comprar itens em atacado, como caixas de lápis, cadernos e agendas. A partir daí, é preciso fazer muitas pesquisas e traçar um orçamento para ter noção do gasto total. Não é preciso necessariamente comprar todos os itens na mesma loja, mas se for fazer é válido pedir descontos.

No dia das compras, converse com o(s) filho(s) sobre o orçamento, para que não corram o risco de se deixar levar pelo impulso e gastar mais do que o planejado. O ideal é sempre fazer os pagamentos à vista, mas se não for possível, opte por poucas parcelas que caibam no bolso, para não comprometer as finanças de 2017 por vários meses.

Passeios e viagens de férias:

Para quem já se programou e poupou dinheiro com antecedência para fazer viagens e passeios no começo do ano, parabéns, isso é ter educação financeira. No decorrer da viagem, cuide para que não extrapolar o orçamento e evite recorrer ao cartão de crédito para gastos extras. Afinal, já que fez tudo certo até aqui, não entre em dívidas desnecessárias agora.

Para quem ainda não se planejou, é importante fazer um orçamento considerando todos os gastos, incluindo transporte, hospedagem, alimentação e passeios no local. Caso fique mais caro do que a situação financeira permite, é válido considerar adiar essa viagem e fazer outra mais barata e até mesmo montar uma programação de passeios na própria cidade.

O ideal é se organizar e agir de forma consciente, respeitando o padrão de vida atual. No decorrer de 2017, é recomendável poupar para todos esses gastos, para que precise passar por “sufocos financeiros” novamente.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD. em Educação Financeira, escritor, educador e terapeuta financeiro. Presidente da DSOP Educação Financeira, da Editora DSOP e da Abefin, publicou o best-seller Terapia Financeira, o recém lançado Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar e os livros Livre-se das Dívidas, Mesada Não É Só Dinheiro, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Eu mereço ter dinheiro!, Papo Empreendedor, Sabedoria Financeira e a série O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável e Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos, O Menino, o Dinheiro e a Formigarra. Mais de 4,5 milhões de exemplares de suas obras já foram vendidas.