Hoje quero falar com vocês sobre dívidas no cheque especial, um item muito usado, porém pouco entendido e conhecido em seu funcionamento e objetivo.

Cheque especial

Muitos entram e querem sair dessa ciranda, porém vire e mexe lá estão usando o cheque especial novamente. Para abandonar de vez este hábito, é necessário em primeiro lugar entender o que te fez usar essa ferramenta.

O primeiro sinal de alerta é que você está gastando mais do que ganha. Se não fosse assim, não usaria o limite – mesmo havendo disponibilidade.

O segundo alerta é a falta de sonhos e propósitos, o que te leva a não criar reservas, seja para imprevistos, seja para as suas realizações, como viagens, carro, casa, geladeira, TV, etc. Vive-se apenas no piloto automático, e muitas vezes só se da conta quando quer tirar dinheiro e não tem saldo.

O terceiro alerta, também muito importante, é fazer empréstimos para cobrir o saldo devedor sem analisar com calma se esta realmente é a melhor solução, já que assim evita ficar inadimplente (não sujar o nome), mas assume uma dívida fixa. O problema piora se esquecer de cancelar o serviço de limite e acabar voltando para ele.

O quarto alerta é o de não mudar o padrão de vida. Não mudar em nada os gastos diários, tendo ou não o empréstimo no orçamento, levará ao cheque especial novamente sem sombra de dúvidas. Isso porque não tratou a causa do problema, apenas sanou de forma paliativa e temporária o que estava mais gritante e evidente.

Assim, para que possa sair das dívidas de cheque especial de uma vez por todas, é preciso mudar o comportamento financeiro, conhecer seus hábitos de gastos e consumo e focar no que é mais importante em sua vida: seus objetivos. Veja o passo a passo, para resolver a questão:

1. Reconheça que está endividado;

2. Some todas as suas dívidas, as do cheque especial e demais;

3. Faça um apontamento de despesas o mais detalhado possível durante 30 dias se tiver renda fixa e 90, se tiver renda variável. Assim saberá para onde vai cada centavo e perceberá o que tem feito você gastar mais do que ganha;

4. Converse com seus credores e principalmente com o banco, veja possibilidades de renegociação que caibam no orçamento – não escolha sem ter certeza de que poderá pagar;

5. Peça ao banco que reduza seu limite, para que não tenha margem para utilizar mais ainda e aumentar sua dívida;

6. Se recebe seu salário na conta que está com o limite estourado, providencie uma conta salário ou conta poupança para que possa ter acesso livre ao seu rendimento mensal, e com isso possa melhor planejar o acordo e pagamento das parcelas;

7. Monte seu orçamento financeiro mensal e visualize o que tem de gastos com o apontamento;

8. Defina seus sonhos de curto, médio e longo prazo. Isso mesmo! Pense no que deseja para sua vida além de sair das dívidas, isso te motivará a focar no que verdadeiramente quer. Quantas vezes você parou para refletir sobre seu caminhar e redirecionar o caminho?

9. Elimine e reduza gastos em cerca de 30%. Você verá que é possível para que tenha saldo para fazer acordo ou renegociar, além de começar a poupar para seus objetivos;

10. Acompanhe pelo menos por 3 meses esse orçamento versus o que de fato aconteceu para que possa ir ajustando e priorizando a quitação das dívidas;

11. Faça acordo à vista ou a renegociação com o banco (com o menor juros possível) e elimine o serviço de cheque especial de sua conta. Agora você sabe o quanto gasta, com o quê gasta e como gastar menos do que ganha, então não precisa desse produto disponível para você.

12. Planeje com antecedência as suas aquisições, veja se cabe no orçamento, e saiba escolher entre esperar um pouco e poupar o recurso, do que fazer a compra de forma imediata. Assim, perceberá quando um empréstimo será necessário, podendo escolher o mais adequado.

Bem, espero que com esses passos e conhecimento sobre como você se relaciona com seu dinheiro e seus objetivos de vida, possa trocar a preocupação com as dívidas por realização de sonhos. Acredite, todos podem! Mude, foque e saia do piloto automático. Se eduque financeiramente, aproveite sua vida com mais qualidade e seja muito mais feliz.

Cintia Senna
Educadora Financeira da DSOP Educação Financeira

Especialista em Educação Financeira, Terapeuta e Educadora Financeira
• Mestranda em Educação Financeira pela Flórida Christian University (FCU) em Orlando/EUA em 2018;
• Pós-graduada pelo Centro Universitário Sul de Minas Unis em Educação e Coaching Financeiro em 2017;
• Formada em Terapia Financeira pela DSOP Educação Financeira em 2017;
• Cursou módulo Internacional de Gestão de Negócios pela ISCAP em Porto/Portugal em 2015;
• Formada em Educação Financeira pela DSOP Educação Financeira em 2015;
• Formada em Planejamento Financeiro Pessoal pelo Insper em 2014;
• Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade São Judas Tadeu USJT em 2008;
• Conselheira Fiscal da Associação Brasileira de Educadores Financeiros – Abefin Gestão 2015-2020;
• Realizou Intercâmbio Internacional pela Quest Study em Toronto – Canadá – 2013;
• Autora do Canal de Youtube - Cíntia Senna;
• Com mais de 8 anos de experiência profissional em auditoria de instituições financeiras, participações em projetos de bancos de crédito, fundos de investimento, operadoras de leasing, administradoras de consórcio, fundos de pensão, corretoras, escritório de representação, financeiras e concessionárias de veículos;
• Além de 4 anos de experiência profissional na controladoria de empresa multinacional do setor de logística e gerenciamento de recursos financeiros.
Colabora com diversas mídias (tv, rádio, jornais e revistas impressas e eletrônicas) e desenvolve atividades tais como: Palestras, Cursos / Workshops / Aulas, Terapias Financeiras – Individual ou Casal, Artigos e Vídeos.
Desde 2013 atua na área de Educação Financeira com o objetivo de levar as pessoas à sustentabilidade financeira para realização de sonhos. Tem como missão contribuir com a alfabetização financeira no Brasil e no Mundo.