A taxa Selic (Sistema especial de liquidação e custódia) é uma ferramenta que manipula a economia, utilizada pelo COPOM (Comitê de Politicas Monetárias) em integração ao Banco Central e a serviço do Governo Federal.

Taxa Selic

Como o governo não consegue pagar suas contas apenas com a arrecadação de impostos, utiliza a Selic para captar recursos e atrair financiadores da dívida pública. Assim as pessoas emprestam seu dinheiro ao governo através de compras de títulos do Tesouro Nacional e o governo paga juros como recompensa, sempre utilizando a taxa Selic como referência.

Impactos positivos da Selic em queda

A Selic influencia diretamente a inflação, a taxa de financiamento do cartão de credito, os juros do cheque especial, empréstimos, consumo, câmbio, empregabilidade e investimentos em fundo de renda fixa, entre outros. Atualmente a Selic está baixa, em 8,25% ao ano, levando os juros dos financiamento a cair e estimulando as empresas a contratarem empréstimos para investir em seus negócios.

Com os juros mais baixos, as pessoas consomem mais e as empresas produzem mais, gerando mais empregos. Essa é ideia do governo com a queda da Selic, fazer com que as famílias retornem a atividade econômica, gerando assim mais receita de forma geral e também para o governo, que terá mais facilidade para pagar suas dívidas.

Com a queda da taxa Selic, mais moeda entra em circulação, fazendo com que o preço do Real caia frente ao Dólar, proporcionando um cenário melhor para a exportação.

Impactos negativos da Selic em queda

Em contra partida, com a queda da Selic, os investimentos de renda fixa como LCA, LCI, CDBs e outros ficam pouco atrativos. Os investidores externos acabam retirando seus capitais do país em busca de juros mais altos e quando isso acontece o dólar fica escasso no país, aumentando seu preço no mercado de câmbio, encarecendo a importação e as viagens ao exterior.

Com a exportação em alta, fica mais caro comprar produtos nacionais que carecem de matéria-prima externa. Isso mediante ao dólar caro, já que as empresas brasileiras estão vendendo para o exterior por um determinado preço e quando alguém quiser comprar por aqui, terá que pagar o mesmo preço.

Com o consumo em alta, a inflação tende a aumentar. Mas este resultado não é imediato, deve levar alguns meses até ser percebido na economia do País.

Leandro Rodrigues
Educador Financeiro da DSOP Educação Financeira

Síntese de Qualificações
• Habilidades para ministrar aulas de educação financeira em escolas de ensinos básicos e superiores;
• Habilidades para ministrar aulas de educação financeira em empresas e instituições;
• Orientador Financeiro individual, familiar e em grupos;
• Membro da ABEFIN - Associação Brasileira de Educadores Financeiros;
Formação Acadêmica
Graduação em ciências econômicas/UNIP Educador Financeiro /DSOP
Idiomas
Inglês – básico
Espanhol – básico
Experiência Profissional
Diretor executivo na Empresa LR Climasul (desde 2010)
Professor de Ensino Técnico (desde 2012) Cursos Daycomp
Professor de Educação Financeira - Cursos DSOP
Palestrante e orientador financeiro - Escolas e Faculdades QI Palestrante e orientador financeiro