O que é melhor, pagar à vista com desconto ou parcelar? Essa é uma dúvida de muitos brasileiros, e para tomar a melhor decisão é preciso saber o percentual exato de juros que estão sendo praticados nas parcelas.

Calculadora online

Para ajudar, há uma interessante ferramenta que poucos conhecem, uma calculadora online disponibilizada pelo Banco Central. Ela ajuda a fazer a comparação e está disponível nesse link: Calculadora do cidadão – Banco Central.

Para ilustrar de forma didática o uso desta calculadora, façamos a seguinte simulação: você quer comprar uma TV. O valor anunciado é R$ 1.224,91 à vista ou 5x de R$ 259,79 (parcelas iguais).

Anunciado dessa forma, fica difícil reconhecer se há juros embutidos. Façamos então a seguinte simulação na ferramenta:

• No campo “Número de Meses”, coloque 5;
• Deixe em branco o segundo campo, “Taxa de Juros Mensal”, já que essa é a taxa que você quer descobrir;
• No terceiro campo, “Valor da Prestação”, coloque R$ 259,79;
• No quarto campo, “Valor Financiado”, coloque R$ 1.224,91, que é o valor do produto comprado à vista;
• Aperte o botão “Calcular” e o resultado surgirá. No caso, juro mensal de 1,9%.

Neste caso, se o dinheiro estiver parado na conta corrente ou aplicado em um investimento que renda mensalmente uma taxa menor que a encontrada, vale a pena sacar para pagar à vista ou juntar uma quantia maior e comprar depois, à vista.

É importante lembrar que com a taxa Selic a 7,5% ao ano, as quantias que estão em investimentos conservadores – mesmo que nos melhores bancos – dificilmente renderão mais que 0,7% ao mês.

Portanto, é preciso ter cautela ao interpretar os anúncios. Se fizer o cálculo, dificilmente será pego de surpresa ou pagará juros excessivos – que podem levar ao desequilíbrio financeiro.

Mirian Médici Rondina
Educadora Financeira da DSOP Educação Financeira

- Bacharel em Economia pela Universidade Mackenzie, com Pós-Graduação em Tecnologia da Informação;

- Experiência em Escritório de Projetos, Planejamento Estratégico de TI e Gestão de Sistemas Financeiros no Mercado Corporativo, nos segmentos de Bancos, Cartões, TV, Indústria e Educação;

- Educadora Financeira habilitada e certificada pela DSOP;

- Membro da ABEFIN – Associação Brasileira de Educadores Financeiros.