Voltando de São Paulo, já no avião, refleti sobre esse momento de crise e acompanhando as notícias nos veículos de comunicação e mídias sociais sobre a escassez de combustível. Momento de reflexão sobre o nosso dia-a-dia e os hábitos de consumo. Quando uma crise se instala e somos obrigados e conter os nossos gastos, fica claro o que é essencial. Afinal, se você não tem gasolina, como você se movimenta pela cidade?

Escassez de combustível

No meu caso, que moro em Brasília e afastada do Plano Piloto, fica difícil manter a rotina. A falta de combustível nos leva a questionar quais deslocamentos são realmente necessários e a racionalizar o percurso. Mas será que essa atitude se mantém em dias comuns? A facilidade de ter o carro à disposição pode nos levar a vários lugares sem sequer pensar no gasto que está sendo feito, o que afeta o bolso, não apenas pelo consumo de gasolina, mas também pelo desgaste do automóvel, estacionamento, pedágios, etc.

E o que dizer dos preços abusivos? Muitos postos aproveitaram o momento e aumentaram os preços – o que nos serve de alerta para o consumo em determinadas situações não planejadas, quando somos obrigados a comprar um item por um preço muito maior que o seu real valor. Quantas vezes no nosso dia-a-dia nos deparamos com essa situação? Mas quando não somos obrigados, mesmo assim nos atiramos a comprar supérfluos, sem pesquisar preços ou sequer cogitar em esperar uma melhor oferta.

Posso dizer que a escassez incomoda, mas não estar preparado pra ela, incomoda muito mais. Nos acostumarmos a viver com menos do que poderíamos nos leva a valorizar o que temos e a termos a disciplina necessária para enfrentarmos momentos como esse com mais tranquilidade. Quer seja enchendo o tanque ou fazendo compras, a ordem do dia é economizar e viver com o essencial, poupando nossos recursos para aquilo que realmente importa na nossa vida.

A melhor forma de fazermos isso é nos educando financeiramente, observando detalhadamente nossos hábitos de consumo, estabelecendo objetivos claros quanto ao uso do nosso dinheiro e poupando para alcançá-los.

Ana Célia Furtado
Educadora Financeira da DSOP Educação Financeira

Educadora Financeira DSOP;
Associada à ABEFIN;
Graduação em Informática pela PUC-Rio Grande do Sul;
Pós-graduação em Marketing pela PUC-Rio Grande do Sul;
Administração em Instituições Financeiras (Banking) pela FGV.