De acordo com levantamento recente feito pelo Datafolha, encomendado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), quase metade (47%) dos brasileiros esperam contar apenas com os recursos da Previdência Social (INSS) para se manter quando se aposentarem.

A pesquisa revelou ainda que 12% não têm ideia de onde virá o sustento da aposentadoria, 28% pretendem continuar no mercado de trabalho durante a idade de aposentadoria e 2% acreditam que terão apoio da família.

Os dados são preocupantes e mostra que o brasileiro precisa inserir a educação financeira em sua vida caso queira ter um futuro mais sustentável financeiramente, já que sabemos que, mesmo que a pessoa tenha contribuído para o INSS, trabalhado com carteira assinada a vida toda, é muito provável que a quantia recebida não seja o suficiente.

Fazer um planejamento para uma aposentadoria mais tranquila deixou de ser uma alternativa e se tornou prioridade. Portanto, para aqueles que ainda não começaram a pensar no futuro, apresento algumas orientações para que trabalhar até os últimos dias de sua vida não seja uma opção.

O primeiro passo é analisar qual o padrão de vida que deseja ter após a aposentadoria. Lembrando que nem sempre uma aposentadoria segura significa ter um padrão de vida alto, mas sim ter a tranquilidade de não depender da ajuda de parentes ou outras pessoas para viver.

“Mas sou muito jovem para pensar nisso”. Escuto essa frase constantemente e ressalto que o quanto antes começar a pensar no futuro, mais fácil será poupar para atingir a quantia necessária para a aposentadoria. Quem está na casa dos 20 anos, por exemplo, pode ter uma reserva de emergência entre 6 e 12 meses de salário, e a partir daí investir todo o resto nesse sonho. Guardando R$ 300 por mês, em 30 anos, é possível acumular cerca de R$1 milhão.

A ideia é não guardar as sobras do seu salário ou renda mensal, mas sim encontrar um percentual que seja possível de ser poupado, podendo aumentar durante o tempo, caso essa renda também aumente.

Fórmula da aposentadoria

Para auxiliar nesse processo, compartilho uma fórmula que criei há alguns anos, com base na minha experiência pessoal e profissional, como educador financeiro. O segredo é encontrar o “número da sua aposentadoria”, ou seja, quanto quer ganhar mensalmente a partir da data em que decidir parar de trabalhar por obrigação. Fazendo as contas certas, acredite, é possível conseguir.

Para que não se tenha risco de o dinheiro acabar uma hora, o “número” deve ser de, no mínimo, o dobro do padrão de vida. Assim, a pessoa saca 50% do que é ganho com os juros mensais dessa aplicação, para viver da forma que planejou, e guarda o restante como reserva, que irá se acumular e continuar trazendo rendimento.

Fiz uma planilha que já faz todo o cálculo necessário de maneira automatizada, apenas bastando que coloque as informações nos lugares indicados. Basta acessar o link /arquivos-downloads/file/calculo-de-aplicacao-para-independencia-financeira?id=1, baixar o arquivo e descobrir o número da sua aposentadoria.

Eduque-se financeiramente e mude o comportamento em relação ao dinheiro, para viver uma vida mais plena e sustentável!

 

 

 

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD. em Educação Financeira, escritor, educador e terapeuta financeiro. Presidente da DSOP Educação Financeira, da Editora DSOP e da Abefin, publicou o best-seller Terapia Financeira, o recém lançado Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar e os livros Livre-se das Dívidas, Mesada Não É Só Dinheiro, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, Eu mereço ter dinheiro!, Papo Empreendedor, Sabedoria Financeira e a série O Menino do Dinheiro – Sonhos de Família, Vai à Escola, Ação Entre Amigos, Num Mundo Sustentável e Pequeno Cidadão, O Menino e o Dinheiro, O Menino, o Dinheiro e os Três Cofrinhos, O Menino, o Dinheiro e a Formigarra. Mais de 4,5 milhões de exemplares de suas obras já foram vendidas.