Em meio a crise da pandemia do coronavírus (Covid-19), que também tem impacto direto nas finanças de milhões de brasileiros, uma das principais dúvidas é quais dívidas devem ser pagas. Lembrando que muitas linhas de créditos como financiamento imobiliários e contas de águas e luz já podem postergadas. Mas, existem dívidas como a de cartão de crédito e cheque especial que também devem ser deixadas para um outro momento.

Essa é a opinião do PhD em educação financeira Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileiros de Educadores Financeiros (ABEFIN). “Mesmo o Governo tendo diminuído as taxas de juros Selic e criando políticas para diminuição de juros, muitas instituições financeiras ainda cobram taxas abusivas”.

Veja vídeo que Reinaldo Domingos fez sobre o tema e continue a depois continue a ler:

A população está precisando de ajuda e a educação financeira tem que trabalhar com as causas dos problemas financeiros e uma dessas são os excessos de juros. Isso se observa em taxas de cartões de crédito e cheque especial acima de 8% ao mês.

“Os bancos estão ajudando por um lado, postergando dívidas que possuem taxas baixas, como é o caso de financiamentos. Isso é fácil, mas por que não se faz isso com essas linhas que possuem taxas abusivas? Por isso que tem que levantar a bandeira de não pagar mais os juros exorbitantes do cartão de crédito e do cheque especial, precisamos levantar a bandeira dos juros baixos”, argumenta o presidente da ABEFIN.

“Atualmente um absurdo é que o juro Selic é de 3,75% ao ano e os juros dessas linhas de crédito são maiores que 300%. Sempre respeitei as instituições financeiras, mas ou elas dão as mãos à população, ou é preciso que a população se revolte com essa situação, não é possível que uma família não tenha dinheiro para o supermercado e tenha que pagar o juros absurdos dessas linhas de crédito, não dá mais para brincar”, afirma Reinaldo Domingos.

Ele explica que mesmo com o não pagamento, o banco não vai tomar nada das pessoas nesse momento, “temos que lembrar que estamos em um período de calamidade pública, caso todos não paguem, as instituições financeiras terão que tomar uma atitude, e um dos caminhos é parcelar com menos juros e/ou com parcelas mais alongadas”, argumento Domingos.

“Não estou pregando o calote, mas pedindo respeito dessas instituições por esse momento onde muitos estão em casa sem receitas. É simples, a prioridade é alimentação remédio e educação e não pagar juros”, explica o diretor da ABEFIN.

A recomendação do educador é que “em casos em que a pessoa não tenha capacidade de arcar com seus compromissos, deixe essas contas para um segundo plano, as empresas terão que buscar formas de recuperar esses valores no pós-crise e assim devem dar várias opções para pagamento. A hora é de uma gravidade extr ema, assim decisões extremas também devem ser tomadas, tem que se buscar alternativas novas”.

Segundo projeções do presidente da ABEFIN os impactos da crise ainda serão sentidos por muito tempo nos bolsos dos brasileiros. “Por mais que a crise de saúde dure pouco tempo, os impactos na economia vão ser avassaladores por muito tempo, de seis meses a um ano. Viveremos uma nova realidade, temos que esquecer conceitos antigo”, explica.

Em relação ao não pagamento das dívidas de cartão de crédito de cheque especial Reinaldo Domingos reforça que por vezes até mesmo estar com o nome sujo pode auxiliar a pessoa, impedindo que ela faça mais dívidas no futuro, alimentando a bola de neve da inadimplência.

Mas, mesmo diante todo esse cenário avassalador, o presidente da ABEFIN recomenda que as pessoas não deixem de sonhar e projetar o futuro. Isso é reforçado pelo momento em que o mundo atravessa, onde as pessoas estão mais em casa, junto com as famílias, para buscar reconectar e encontrar os desejos reais de todos.