O período da vida dedicado ao estudo é muito importante. É nele que conquistamos grande parte dos conhecimentos e também enfrentamos dificuldades financeiras, por não se ter ainda uma carreira consolidada e receber salários e bolsas com valores baixos, isso quando recebemos.


Em função dessa dificuldade e da necessidade dos estudantes adquirirem as mais variadas experiências culturais, existem alguns benefícios que desabonam os estudantes. Por exemplo, as carteiras de estudante, que possibilitam descontos de 50% em eventos culturais e que, sem dúvida, são uma grande conquista. Apesar de considerar esse benefício pequeno perto do que seria adequado (acesso gratuito à cultura, subsidiado pelo governo), sempre recomendo que os jovens aproveitem ao máximo esse direito.

Mesmo não sendo o ideal, é fundamental que todos os estudantes tenham essa carteira e aproveitem esses descontos com responsabilidade e coerência, aprimorando a cultura, que valorizará seu desenvolvimento profissional e humano. Assim, essa é a hora de aproveitar os mais variados descontos que a carteira permite, como ingressos para peças de teatros, shows, cinema, descontos na compra de livros e viagens.

À primeira vista, pode parecer que não, mas o acesso a eventos culturais é uma ótima forma de o estudante investir no seu futuro profissional, pois proporciona várias descobertas, abre caminhos para o desenvolvimento de novas ideias, é uma forma de criar uma boa rede de relacionamento, entre outras vantagens. Mas alerto que, mesmo com ótimos descontos, é importante ter controle de quanto se gasta, para que o benefício não se torne uma ferramenta para o endividamento.

Nada de ir, indiscriminadamente, a todos os eventos que acontecem por ter o desconto, pois o peso será muito grande no orçamento no fim do mês. É necessário avaliar a importância do evento cultural e o que ele trará de benefício. Também é muito importante saber que, em um evento cultural, existem outros custos envolvidos. Por exemplo, para ir ao cinema, também se gasta com transporte, pipoca, refrigerante, balas.

Outra dica é que o jovem, ao escolher um evento, anote o valor total do ingresso e o que ele economizou, ou seja, a metade. Esse valor é uma excelente oportunidade para iniciar o caminho e o grande sonho da sua independência financeira e, portanto, deverá ser guardado. Mas, se isso não for possível, a cultura deve ser priorizada. Todo investimento nesse campo é como uma poupança, que será bastante significativa para iniciar a trilha para realização de seus sonhos.

Tenha em mente que a cultura valorizará você não apenas nos relacionamentos pessoais, mas também nos profissionais, sendo determinante na hora de uma empresa contratar alguém ou mesmo promover. A cultura e a educação são ferramentas para a melhoria das condições da população e, para o estudante, a carteira de estudante é a melhor forma para conquistar, cada vez mais, o saber que, certamente, ajudará a se tornar um profissional instruído e capacitado para o mercado.

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira e da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor dos livros Terapia Financeira, Eu mereço ter dinheiro, Livre-se das Dívidas, Ter Dinheiro Não Tem Segredo, das coleções infantis O Menino do Dinheiro e O Menino e o Dinheiro, além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.

Fonte://www.bancadejornalistas.com.br/?p=10186