Um verdadeiro time de pesquisadores, consultores, professores e coachs de grandes organizações se reúnem para apresentar os caminhos para o desenvolvimento da gestão educacional, durante a Educar/Educador e Bett Brasil 2014.


Desenvolvimento, mudanças, reestruturação, reflexão, diálogo, interação. A educação, inserida dentro de uma grande engrenagem de conhecimento, desde seu ensino de base, apresenta gigantescas mudanças. Com um cenário atualizado e repaginado, o sistema educacional atravessa um período de reestruturação, de novos caminhos e maneiras de observar métodos de ensino, formação pedagógica, aparecimento de meios digitais em sala de aula e até mesmo a maneira como são ministradas as aulas – e como reflete na recepção do aluno.

O Centro de Exposições Imigrantes, localizado na região sul de São Paulo, recebeu entre os dias 21 e 24 de maio, a feira Educar/Educador 2014. O evento, que chegou à sua 21ª edição este ano, foi realizado em conjunto com a Bett Brasil, uma das maiores feiras de produtos e tecnologia educacional do mundo, realizado há mais de 30 anos em Londres, Inglaterra. Com a temática central: “Uma Verdadeira Imersão para a Excelência em Educação. Que Rumo Seguir?”, o evento propôs uma reflexão consistente para a gestão pública e privada na educação, tendo como base palestrantes nacionais e internacionais, atividades de capacitação, compostas por painéis, talk shows, mesas de debates e workshops durante os quatro dias da feira.

Logo, a Educar/Educador e Bett Brasil, alçou-se à condição de evento educacional mais relevante da América Latina e um dos mais completos do mundo. Em seus quatro dias de evento, reuniu mais de 20 mil pessoas, superando os números de 2013. “Foi um evento fantástico pela oportunidade de compartilhamento de experiências de líderes renomados, e a sinergia entre conteúdos em diversos níveis e formatos com as mais variadas plataformas, produtos e serviços do mais alto nível, que contribuem de forma ímpar para o desenvolvimento do mercado educacional como um todo”, afirmou José Papa Neto, diretor Top Right Group no Brasil, empresa que produziu o evento.

Cobrindo o segmento educacional de ponta a ponta, o evento contou com a participação de importantes lançamentos nacionais e internacionais de produtos e serviços, apresentando sistemas educacionais, além de diversas inovações para a educação integrada à tecnologia. Com mais de 11 mil m², cerca de 300 empresas participaram do evento, exibindo seus lançamentos no segmento.

Além da feira, os auditórios espalhados pelo Centro de Exposições recebiam simultaneamente seminários de formação pedagógica através de seis congressos: Educador; Educador Management; Avaliar; Infância e Cia; Profitec; Educação e Tecnologia. Com representantes de grande relevância do cenário educacional, os conteúdos marcaram um importante avanço no diálogo e interação entre professores, gestores escolares, ONG´s e demais representantes de empresas do setor, totalizando mais de 230 atividades. Entre os renomados especialistas, destaque para os brasileiros Mario Sergio Cortella, Augusto Cury, Cesar Nunes, Eduardo Shinyashiki, Emília Cipriano, Maria do Pilar Lacerda, os portugueses José Pacheco e Antonio Nóvoa, os italianos Domenico de Masi e Mauro Maldonato, e os americanos Brian Perkins e Ricky Cohen.

A Educar/Educador, a cada edição, apresenta novas discussões, propostas e debates em diferentes áreas educacionais. Propondo novos rumos e ideias para a excelência no âmbito educacional. Com tantas alterações no ciclo escolar e mudanças sociais, culturais e digitais, como prever uma excelência educacional? E, além disso, como instigar o aluno a participar cada vez mais do aprendizado diário?

CRIATIVIDADE, ORIGINALIDADE E QUALIDADE

Nos últimos 10 anos, alguns debates embarcaram através das salas de aula sobre os variados métodos de ensino e suas funcionalidades. Essa possibilidade de diálogo aponta, para este século, uma gama enorme de transformações e pluralidades, dominando muitos métodos para se trabalhar. Constatando que cada sala de aula é um micro universo cultural diferente, com características únicas, certas atividades podem ser absorvidas de maneira positiva em uma turma e outras não.

O psicopedagogo e mestre em educação Max Haetinger, que ministrou a palestra “A Diferença, a Criatividade e a Originalidade: Como valorizar o professor que inova”, durante esta edição da Educar/Educador 2014, acredita que a criatividade, originalidade e o teor diferente e inovador são as grandes qualidades da atualidade. “A principal qualidade do inovador é produzir diferenças usando a criatividade. A criatividade é uma valência humana, mas só aparece quando é desenvolvida na escola. Mas a grande questão é: como desenvolver?”, indaga Max.

O conjunto de técnicas associadas ao conhecimento, a valorização do pensamento curioso e a imaginação, “movimentam a pedagogia da pergunta, trabalhando em coletivo, pois vivemos em um mundo da cooperação, da troca e coleta de dados”, afirmou Max, citando o célebre educador brasileiro Paulo Freire: “Como professor devo saber que sem a curiosidade que me move, que me inquieta, que me insere na busca, não aprendo nem ensino”.

E dentro desse complexo processo de ensino-aprendizagem, o professor, o mestre, acaba sendo um exemplo a ser seguido, já que a “psicologia destaca que a influência positiva torna-se um exemplo a ser seguido dentro da mente de uma criança”, salienta o psicopedagogo. Exemplo esse, adquirido tanto na escola como em seu círculo familiar. E trazer esse aluno à sala de aula com sede de aprendizado, nem sempre é uma tarefa fácil, já que os meios digitais aparecem de maneira mais sedutora. “O professor tem quem ser motivador, pois a sala de aula, hoje, é pequena para o tamanho do mundo lá fora. Usar a tecnologia em sala de aula é de extrema importância, ir além e consumi-la conforme a necessidade de cada educador. Os aparelhos facilitam, mas não são disparadores, não são eles que fazem o aluno aprender e sim como o professor os utiliza em sala de aula”, dispara Max.

O especialista acredita que o pensamento mais importante na atualidade é compreender que essa escola criativa se pressupõe no momento em que o saber se multiplica. “Nesse século o livro não é uma referência de saber, pois o ensino está repaginado e é preciso afirmar essa reestruturação”. O movimento que se motiva é fluído e está em constante transitoriedade, pois os conceitos atuais são mutáveis. O saber está em uma extensão plena, sem fronteiras.

Segundo Max Haetinger, as três grandes qualidades do professor resumem-se em: ter atitude, uma marca e encantar. “Se a tecnologia é encantadora, o professor também pode encantar”. Modificar as aulas incessantemente, planejar as aulas com determinado tempo e, sem dúvida alguma acreditar em si. “Nesse momento de transição, entre o mundo mecânico e o digital, nós somos os profissionais que estamos fazendo essa virada”, finaliza.

Redescobrir os valores, identificar o papel da nova escola e ensinar de maneira dinâmica e profunda, onde a questão de identidade cultural atinge não só a dimensão individual, mas classe dos educandos, é essencial a uma prática que busca uma qualidade educativa. Contribuindo, assim, de maneira positiva e promissora.

MATERIAIS PEDAGÓGICOS E METODOLOGIAS

A Escola da Inteligência, programa educacional para melhora da aprendizagem, apoio no desenvolvimento da autoestima e do caráter dos alunos e combate ao bullying e a violência, participou do evento demonstrando sua metodologia. Fundamentado na Teoria da Inteligência Multifocal, desenvolvida pelo Dr. Augusto Cury, o programa visa implementar nas instituições de ensino o desenvolvimento da inteligência, das emoções e do comportamento saudável dos alunos. “O programa veio para prepará-los emocionalmente no âmbito familiar e social, cujos resultados terão reflexos na formação da personalidade, aprendizagem e futuramente no mercado de trabalho”, conta Camila Cury, Diretora Presidente da Escola da Inteligência.

Com bate-papos, oficinas e lançamento de pós-graduação à distância, a DSOP Educação Financeira participou do evento com o objetivo de promover uma reflexão sobre as instituições de ensino serem cobradas a formar alunos-cidadãos, autônomos, com visão crítica e capazes de realizar projetos individuais e coletivos. “Isso significa que esse tema não é um modismo, e sim um novo desafio global, já que as economias têm sofrido rápidas mudanças, em especial em um país como o Brasil, que, nos últimos anos, tem passado por uma reconfiguração da distribuição de suas classes sociais”, afirmou Reinaldo Domingos, educador e mentor da Metodologia DSOP.

A Abramundo, empresa que produz, desenvolve e implementa metodologias e materiais educacionais para o aprendizado de Ciências no Ensino Fundamental, apresentou o lançamento de dois novos conjuntos de oficinas: Aventura Científica e Descobrindo a Ciência. Cada um desses novos conjuntos de oficinas trata de diversos temas. Dentre eles estão assuntos atuais e presentes no nosso dia a dia como corpo humano, astronomia, ciclo da água, energia elétrica, reações químicas e muitos outros.

A Metodologia Gustavo Borges (MGB), presente em mais 300 estabelecimentos espalhados por 192 cidades de 22 estados do País, marcou presença no evento demonstrando as vantagens das aulas de natação desenvolvidas pelo atleta olímpico. “A metodologia é diferenciada, por oferecer um aprendizado que une capacitação profissional, estrutura e troca de experiência. Esses pilares são fundamentais no negócio e os pais dos alunos sentem confiança em colocar os filhos para nadar com base no método”, revelou Gustavo Borges. “Nosso objetivo é ensinar a natação. A chegada ao alto rendimento no futuro será uma consequência”, completa.

Fonte://direcionalescolas.com.br/2014/06/18/conversa-com-o-gestor-especial-educareducador-2014/