Economia
Tendência

Economia em compras nas farmácias – 6 orientações para minimizar os impactos

Por: Paulo Fabrício Ucelli

A compra de medicamentos ou produtos de farmácias é responsável por grande parte dos gastos dos brasileiros. Isso faz com que na hora dessa compra uma das principais preocupações seja com o preço. 

Isso é o que aponta a Pesquisa Sobre o Comportamento do Consumidor de Farmácia no Brasil – Edição 2021, realizada pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa (IFEPEC), com 4.000 consumidores. Os resultados desse levantamento apontam que os consumidores das farmácias priorizam os preços baixos e programas de fidelidade. 

Isso se observa na resposta à pergunta sobre o principal fator para a escolha de uma farmácia, 75,4% dos entrevistados afirmaram que o preço foi primordial na decisão.

Além desse ponto, 14,9% apontaram a localização como fator mais importante para a escolha, seguido por disponibilidade de estoque (5,1%), possuir atendimento da Farmácia Popular (2,4%%), o bom atendimento (1,1%) e a facilidade de estacionar (0,9%).

Reforçando a importância de obter as melhores condições financeiras, os programas de fidelidades possuem grande relevância para o consumidor da farmácia, sendo que 86,8% dos entrevistados afirmam participar de algum tipo de programa.

Um dado importante apresentado no material é em relação às pesquisas de preços por parte dos consumidores, 88,4% dos entrevistados afirmaram que não costumam realizar essa ação antes das compras, 8,7% afirmaram que não pesquisaram preços naquele dia específico, mas que costumam pesquisar, 1,8% afirmaram que pesquisaram naquele dia e 1,1 pesquisaram via Web.

Assim, a pergunta que fica é: O que fazer na situação atual para comprar medicamentos?

“Mesmo tendo os medicamentos preços tabelados é possível economizar nessas comprar. Uma coisa que poucas pessoas sabem é que se tabela apenas o valor máximo dos medicamentos, mas o mínimo as farmácias podem estabelecer de acordo com suas estratégias comerciais”, analisa o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos.

Para auxiliar os consumidores, veja orientações elaborados por Reinaldo Domingos sobre como economizar na compra desses produtos:

1. Pesquise preços

Não estou falando para ir em diversas farmácias, agora não é hora, mas a maior parte das farmácias fornecem valores pela internet ou mesmo aplicativos e WhatsApp, é interessante pesquisar, pois os preços são realmente muito diferentes, sem contar que no final das contas uma drogaria pode cobrir o preço da concorrência. Aconselho que o consumidor faça um cadastro de fidelidade e participe de programas de aquisição de medicamentos, pois a prática pode resultar em descontos futuros. Consultar comparadores de preços online também é uma boa saída.

2. Cuidado com as armadilhas das farmácias

As farmácias estão planejadas para levar as pessoas a comprarem mais, principalmente os chamados não medicamentos e medicamentos isentos de prescrição, todo o trajeto em uma farmácia organizada levam à compra de produtos que não são prioritários. Por isso, todo cuidado é pouco, compre somente o necessário e evite produtos que não são seu foco e que não sejam os produtos finais das drogarias, como balas e chocolates, pois geralmente poderia comprar esses produtos no outro lado da rua pela metade do preço.

3. Prefira genéricos

Na grande maioria das vezes os medicamentos genéricos são mais em conta, assim a orientação é sempre buscar por essa alternativa nas farmácias e quando o médico for elaborar a prescrição, solicite que coloque o princípio ativo em vez da marca. Pesquise também entre laboratórios, pois os preços são variados.

4. Cadastre-se no programa Farmácia Popular

Muitas farmácias possuem um programa governamental chamado Farmácia Popular, esse oferece medicamentos gratuitos de hipertensão, diabetes ou asma para pessoas que possuem cadastro e receita. O programa também possibilita descontos de até 90% mais baixos. É necessário apenas ir a uma farmácia credenciada, apresentar a receita – que não precisa ser de um médico do Sistema Único de Saúde (SUS) – e a identidade para conseguir pegar medicamentos com desconto.

5. Utilize programas de fidelidade

A grande maioria das farmácias possui programas de fidelidades com grandes benefícios. Mas além disto existem os programas dos laboratórios, faça seu cadastro, pois são aceitos em muitas farmácias, gerando economia de até 70%. Veja se sua empresa, plano de saúde, sindicato ou associação de classe profissional não possui parceria com alguma rede.

6. Remédios gratuitos pelo SUS

É possível retirar gratuitamente alguns medicamentos disponibilizados pelo Ministério Público em Unidade Básica de Saúde (UBS), desde com a receita e o documento de identidade em mãos. Lembrando que no meio da pandemia existem casos de agendamento prévio para retirada de medicamentos e a possibilidade de terceiros retirarem com uma procuração.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo