ArtigosImprensaÚltimas Notícias

Análise do livro Por que enfrentamos crises e não estamos preparados

Recentemente, o PhD em Educação Financeira Reinaldo Domingos lançou sua mais nova obra, Por que enfrentamos crises e não estamos preparados (Ed. DSOP), totalmente produzida durante a Pandemia do COVID-19, baseada em reflexões profundas que o autor vivenciou nesse momento de crise.

Sem qualquer pretensão de ser uma resenha do livro, pois a recomendação é a sua leitura, a reflexão que cabe aqui é por que algumas pessoas, como Reinaldo Domingos, são produtivas, mesmo em momentos difíceis, e outras simplesmente não conseguem dar apenas um pequeno passo adiante?

Reinaldo conta em sua obra, e relatou na Live do seu lançamento, que escreveu o livro em 30 dias, quase que ininterruptamente, principalmente nas madrugadas, quando a chama da sua criatividade o mantinha acordado.

A resposta, ao meu ver, está baseada nos estudos do psicólogo húngaro Mihaly Csikszentmihalyi, que denominou o estado no qual a pessoa está tão envolvida em uma atividade, que se torna capaz de esquecer-se do tempo, da fome, da fadiga física e mental, do ambiente e até dos ruídos a seu redor, de FLOW.

Reinaldo Domingos, certamente, apaixonado como é pela Educação Financeira e por escrever, certamente, vivenciou, e ainda vivencia, em sua vida o FLOW.

Para a maioria das pessoas, concentrar-se em uma determinada atividade é um desafio, principalmente quando se veem diante da pressão emocional do medo, do prazo, das distrações que, evidentemente, atrapalham e tiram todo o foco daquilo que estão fazendo, se tornando improdutivas e procrastinadoras.

Mas, também (e felizmente para o Mundo) existem pessoas como Reinaldo Domingos, que mesmo sofrendo a mesma pressão que todos os outros mortais, estão sempre e, complemente, focadas em suas atividades. Elas estão em estado de FLOW, pois experimentam uma enorme satisfação naquilo que realizam e, dessa forma, conseguem apresentar melhores resultados.

Suas mentes, corpos e espíritos se tornam complemente alinhados, e funcionam harmonicamente com um único foco e, partir dele, tudo o que é realizado flui e se desenvolve naturalmente, porque o que se pratica está totalmente alinhado com a sua missão e propósito, daí porque se torna fácil “mergulhar” no que se está realizando, já que é prazeroso acima de tudo, pouco importando se é complexa ou não.

Atingir o estado de FLOW exige autoconhecimento e coragem para assumir para você mesmo, e para todos, aquilo que realmente toca seu coração, que faz parte da sua missão na Terra, pois essa certeza lhe trará clareza na seleção, em meio a tantos estímulos, do objeto do seu foco, mesmo em meio a situações de crise.

Aliás, nas situações de crise, o estado de FLOW, inclusive, facilita a visualização do melhor caminho a ser seguido, pois manterá a mente calma e concentrada para a tomada da melhor decisão, sem que as emoções atrapalhem, permitindo a organização da consciência e melhora da sua performance.

Para isso, é imprescindível ter clareza de objetivos. Reinaldo Domingos vive intensamente a Educação Financeira e a metodologia DSOP. Dorme, acorda e se alimenta do seu proposito de vida. Como ele mesmo já afirmou, até uma simples conversa de elevador é um pretexto para falar do assunto.

Em segundo lugar, é necessário ter disciplina e foco no que realmente importa. A reserva de um momento no dia, quando os sentimentos, emoções, pensamentos, sensações físicas, entre outros fatores, podem ser deixados de lado, pois a mente e o corpo estarão voltados exclusivamente para a tarefa que está sendo realizada, é muito importante.

Outro fator importante é alinhar as suas habilidades à atividade que será realizada, de maneira que sejamos capazes de completá-la, pois será difícil atingir o estado de FLOW se estivermos preocupados ou ansiosos por conta de demandas para as quais não estejamos preparados. Justamente por esse motivo, Reinaldo Domingos nunca parou de estudar e de se desenvolver, atingindo o máximo de titulação acadêmica quando o assunto é Educação Financeira.

E por fim, é imprescindível que algum tipo de recompensa ao finalizarmos a atividade, ou mesmo durante sua execução, seja experienciada. A visualização dessa recompensa nos mantém motivados e focados para concluí-la com dedicação e excelência, mesmo que seja, tão somente, sensação de satisfação e de utilidade sobre o que se fez.

E existe satisfação maior do que entregar ao Universo uma obra literária, que certamente fará a diferença na vida das pessoas?

Danielle e Mario Oliveira – Sócios da Etherna Treinamentos, Especialistas em inteligência emocional, MBA em gestão estratégica e econômica de negócios, casados há 20 anos

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo