ArtigosCorporativoEconomiaFinanças pessoais

IPCA vem dentro do esperado pelos analistas, mas tendência ainda preocupa

Inflação oficial teve alta de 0,53% em junho, ante uma projeção média de 0,52% dos analistas; acumulado em 12 meses é de 8,35%

O mercado sempre busca acertar as previsões sobre os principais indicadores econômicos, para fazer as escolhas mais certeiras possíveis. E mesmo ainda assustando pela alta acumulada, a inflação oficial de junho ficou praticamente dentro do esperado.

O IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) de junho, que ficou em 0,53%, ante a expectativa dos economistas de 0,52%, segundo as projeções do Broadcast.

Porém, o acumulado dos últimos 12 meses nos mostra que o dragão permanece arisco, já que a inflação está em 8,35%. Em 2021, o índice acumula taxa de 3,77%. Lembrando que o centro da meta estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3,75%

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta de preços em junho, e novamente o maior impacto veio de habitação, que registrou um aumento de 1,10%. 

Alívio da energia elétrica

Entre as surpresas desagradáveis da última divulgação, a energia elétrica sem dúvidas foi protagonista, afinal, em maio o avanço foi de 5,73%. Para  junho, o resultado foi mais sútil e a alta desacelerou para 1,95%, mas ainda assim exerceu o maior impacto individual no índice do mês.

Ainda em habitação, também chama a atenção a alta expressiva da taxa de água e esgoto que subiu 1,04%, e também os preços do gás de botijão (+1,58%) e do gás encanado (+5,01%).

O grupo de alimentação registrou alta de 0,43%, muito próxima à do mês anterior (+0,44%). Alimentação a domicílio passou de 0,23% em maio para 0,33% em junho, puxado principalmente pelas carnes (1,32%), que subiram pelo quinto mês consecutivo e acumulam alta de 38,17% em 12 meses.

alimentação fora do domicílio (+0,66%) desacelerou em relação a maio (+0,98%), principalmente por conta do item lanche (0,24%), cujos preços haviam subido 2,10% no mês anterior. Já a refeição subiu 0,85%, enquanto havia apresentado alta de 0,63% em maio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo