Se as mulheres ainda duvidam que elas são melhores que os homens com as finanças, os especialistas não têm mais dúvidas. O sexo feminino está cada vez mais à frente de grandes empresas e duas mulheres já despontam como pré-candidatas à presidência da República nas eleições deste ano. São a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) e a senadora Marina Silva.

Para provar isso e também ajudar todas elas a administrar de forma mais equilibrada sua renda, o educador e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos criou um teste para que elas — e somente elas — consigam descobrir se controlam adequadamente seus gastos.

“A mulher é mais focada nas necessidades. Ela recebe normalmente a incumbência de gerenciar os recursos da família, fazer as compras, pagar a escola das crianças e, por isso, ela gasta mais”, constata o educador.
“Mas nem sempre isso significa que os gastos sejam sem critério. As mulheres são mais cuidadosas que os homens e, muitas vezes, fazem milagres com o dinheiro da família”, conclui.

Marketing e impulso
O educador financeiro Reinaldo Domingos, autor de vários livros sobre o tema, diz, porém, que a mulher é mais suscetível ao marketing, “sendo levada a fazer compras por impulso e gastando mais do que deveria”.
“Ela é mais movida pela emoção, pelo desejo, pela propaganda. Vê alguma coisa e, mesmo sabendo que tem o dinheiro contado para outro pagamento, compra porque gostou. É preciso ter foco nos sonhos e saber como aplicar. Guardar, sempre, mas com um objetivo de futuro”, afirma.

Segundo Domingos,os homens eram melhores na administração das finanças, mas “as mulheres ganharam frente, são detalhistas e mostraram que conseguem conter a emoção em prol da razão”, conclui.

Investidoras se revelam após a crise financeira
A crise financeira internacional, que derrubou o mundo no final de 2008, só não prejudicou mais os negócios e os capitais de grandes corporações porque as mulheres fizeram boas aplicações e conseguiram conter investimentos arriscados, diz o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Miguel José Ribeiro de Oliveira.

“Que a mulher é melhor para a questão financeira do que o homem, isso já é fato. Quando a crise financeira acabou, fomos verificar quais foram os investidores que conseguiram se sair bem daquela situação. Percebemos que só as mulheres não perderam, porque elas são mais cautelosas e conservadoras com os investimentos, evitam correr riscos”, afirma Oliveira.

Segundo ele, as mulheres começaram a entrar no mundo dos negócios quando perceberam a necessidade de saber lidar bem com o dinheiro ao enfrentarem situações difíceis. “Antigamente, as mulheres sofriam em casos da perda do marido, por exemplo, em que desconheciam as finanças da família e não sabiam então como agir. Assim, cada vez mais passaram a se interessar pelo tema”.

O executivo concorda com o educador financeiro de que a mulher, apesar da tendência a ser mais consumista, consegue ter maior controle sobre o dinheiro por saber administrar várias tarefas ao mesmo tempo.

“O homem é mais atirado e irriquieto na hora de investir, quer ter um retorno imediato e grande a curto prazo, aposta alto. A mulher é mais controladora, tradicionalmente, desde como dona-de-casa, sempre tem milhares de coisas para fazer. Tradicionalmente, ela tem uma vantagem sobre os homens”, acrescenta.

Fonte: //www.diariosp.com.br/Noticias/Dia-a-dia/1781/Mulher+e+melhor+com+financas