Em 2009, o número de pessoas que depositaram mais de R$1 milhão cresceu 30% em relação a 2008

Pai rico, filho nobre, neto pobre. A sabedoria popular indica que não basta ser um poupador, tem que ser também um administrador da riqueza, tenha ela o tamanho que for.

Dentro dessa linha, 4.980 investidores com economias pessoais superiores a R$ 1 milhão buscaram abrigo na caderneta de poupança no ano passado, de acordo com dados do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) publicados no site do Banco Central (BC).

Esse movimento é mais um indicador de que, com a crise mundial do ano passado, a caderneta de poupança ganhou força como um porto seguro para os investidores. Em 2008, 3.822 poupadores milionários tomaram a mesa decisão. Ou seja, no ano passado esse movimento teve um crescimento de 30,29%.

Os clientes com aplicações de até R$ 100 representaram, no ano passado, 54,18% dos depositantes.

O economista Carlos Eduardo de Freitas, ex-diretor do BC, disse à Agência Brasil que esses milionários foram atraídos pela rentabilidade da poupança, e pela praticidade de poder aplicar e retirar o dinheiro livremente.

“A rentabilidade de um CDB, se tirar o Imposto de Renda, deve estar entre 6,8% a 6,9%. Têm fundos de investimentos de DI [Depósito Interfinanceiro, que são remunerados de acordo com a taxa básica de juros, a Selic] que também estão com remuneração abaixo de 7%., já descontando o IR.” Atualmente, a poupança rende a Taxa Referencial (TR), mais de 6% ao ano.

Quem não tem visão de longo prazo, acredita ser impossível juntar R$ 1 milhão. Realmente não é fácil, mas dá pra tentar.

“A primeira coisa é identificar se você está desperdiçando dinheiro, porque a pressão para que você gaste sua economia é muito grande”, diz o educador financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro “Terapia Financeira”, da editora Gente.

De acordo com Domingos, guardar dinheiro exige disciplina militar. “Só é possível tirar o dinheiro da conta corrente antes de pagar qualquer coisa. Se o dinheiro ficar na conta, você gasta. E mesmo quem poupa tem que ter um sonho em mente, senão não adianta, gasta.”

Ao começar a guardar dinheiro, decida quanto tempo vai deixá-lo parado. Isso faz toda a diferença na hora de escolher o investimento.

Fonte: Jornal O Diário de São Paulo, quinta-feira, 4 de Março de 2010. Página 12 (Economia).