As autônomas precisam ter organização redobrada. Mas o cuidado compensa: dá até para fazer uma poupança!

Vida de trabalhadora autônoma tem lá suas vantagens: liberdade de horário, férias quando bem entender, nada de chefe por perto…
Porém, no quesito finanças, o panorama complica. Como não existe renda fixa nem dia certo para receber, só um planejamento detalhado para garantir o pagamento de todas as contas.

Diagnostique o problema

“Algumas estratégias permitem até fazer uma poupança para emergências”, explica o consultor financeiro Reinaldo Domingos. Autor do livro “Terapia Financeira”, publicado pela Editora Gente (Antiga Editora Elevação), ele assinala que quase sempre a independência financeira está ligada à economia e a um controle rigoroso de despesas pessoais e profissionais.

Quer saber mais? Então, veja abaixo o caminho indicado pelo especialista.

• Calcule sua renda média: some os rendimentos dos três últimos meses e divida por três. Desconte impostos e despesas administrativas relacionadas à sua atividade, como aluguel e luz.

• Durante o trimestre, anote seus gastos – os grandes e os pequenos, como transporte, cinema e baladas. Para Reinaldo Domingos, eles até podem parecer mínimos, mas fazem diferença no cálculo.

• Guarde 10% dos ganhos antes de começar a pagar as contas. Nos meses iniciais, o aperto será maior.

• Quite primeiro os serviços essenciais, como água, luz e gás. Depois, anote o total de suas dívidas já com a taxa de juros embutida no valor das parcelas e estipule uma quantia mensal para saldá-las. Priorize as que têm os juros maiores. Faça acordos, mas lembre-se: as parcelas devem caber no bolso.

Fonte: //mdemulher.abril.com.br/dinheiro/reportagem/seu-negocio/viva-bem-renda-fixa-395290.shtml