Não é muito, mas o aumento no valor do benefício e a primeira parcela do 13º fazem diferença

O dinheiro extra no bolso está confirmado para agosto e setembro. Pode ser pouco, mas qualquer real a mais pode fazer a diferença no orçamento doméstico dos 8,5 milhões de aposentados e pensionistas que ganham acima do salário mínimo. Eles vão receber nas próximas duas folhas salariais o aumento de 7,72% e a primeira parcela do décimo terceiro salário. Especialistas em finanças pessoais recomendam que os beneficiários do INSS guardem a grana e evitem fazer gastos supérfluos. Se tiverem alguma dívida, devem aproveitar para renegociar com o credor. Uma forma de chegar o fim de ano com o bolso livre para as compras natalinas.

A aposentada Maria Aparecida da Silva, 66 anos, já sabe o que fazer com o “dinheirinho” extra do benefício. “Sei que é pouco, mas vou guardar na poupança porque ninguém sabe do futuro”. Ela conta que tem dois empréstimos consignados e justifica que o valor do benefício de R$ 770 não dá para pagar as despesas de casa. “Sei que é uma armadilha, mas hoje os aposentados não podem viver sem ele. É o jeito”, arremata. Maria Aparecida trabalhou 30 anos e quando se aposentou recebia quatro salários mínimos, o equivalente hoje a R$ 2.040. Uma defasagem de R$ 1.270.

Reinaldo Domingos, especialista em finanças pessoais, diz que o importante é saber respeitar o dinheiro. Principalmente as pessoas idosas, que têm gastos extras. Segundo ele, quando se fala em valores pequenos, depende do tipo de despesa que se tem. O extra pode ser usado, por exemplo, para comprar mais leite e feijão, melhorando a qualidade de vida. O especialista também mostra as vantagens da poupança. Se a pessoa poupar R$ 1 três vezes por semana – corrigido pela remuneração da poupança durante 30 anos -pode chegar ao valor de R$ 45.000.

Com maior pragmatismo, o economista Roberto Ferreira, professor da Faculdade Boa Viagem (FBV), orienta os aposentados endividados utilizarem o dinheiro do aumento e parte do décimo terceiro para renegociar as dívidas ou quitar débitos. Para quem está com o bolso mais folgado, Ferreira recomenda parcimônia: “Lembre-se que existem as compras de fim de ano e as despesas de janeiro. Vêm o pagamento do IPTU, IPVA e do Imposto de Renda”. Para fazer o dever de casa completo, o aposentado pode reservar uma parte para a caderneta de poupança. “Não se deve consumir por consumir, só para gastar com supérfluos”, finaliza.

É bom lembrar aos aposentados e pensionistas que o aumento de 7,72% só será integral para as pessoas que se aposentaram até fevereiro de 2009. Para quem se aposentou entre março e dezembro de 2009, o reajuste será proporcional à data de concessão do benefício. Exemplificando: quem se aposentou até março de 2009 vai receber 7,39% e quem se aposentou até dezembro de 2009 ganhará 4,38%.

A advogada Juliana Campos, do escritório Perazzo Advogados, explica que o reajuste das aposentadorias e pensões é baseado nos últimos 12 meses e proporcional à data da concessão. Ela lembra ainda que não se trata de um segundo reajuste, mas apenas da diferença de 1,58 ponto percentual entre 6,14% aplicado em janeiro e 7,72% com a Medida Provisória 475.

 

Fonte://www.diariodepernambuco.com.br/2010/07/08/economia6_0.asp

 

Visite a Loja Virtual do Instituto DiSOP de Educação Financeira