A chegada do bebê transforma a vida de uma família. Por isso, além do planejamento da gravidez, também é preciso se organizar financeiramente para que o nascimento da criança não resulte em dívidas para o casal. As despesas são grandes e o custo médio estimado de um filho corresponde a um terço do orçamento.

 

O ideal é que a gravidez seja planejada com, no mínimo, 12 meses de antecedência. Tempo que o casal pode começar a poupar para comprar à vista os produtos para o bebê e conseguir negociar descontos, além de evitar os juros dos financiamentos.

 

Outro ponto importante é a contratação de um plano de saúde para a mãe. A gestação exige a realização de exames e consultas médicas. Caso a grávida não conte com uma assistência médica, terá que arcar com as despesas de consultas particulares ou recorrer ao sistema público.

 

Mas se a gravidez não for planejada e o resultado positivo surpreender o casal? Nesse caso, a alternativa é fazer um diagnóstico financeiro o quanto antes. “É preciso analisar o que é mais importante e começar a cortar gastos, como comer em restaurantes e idas semanais ao cabeleireiro”, destaca o educador financeiro, Reinaldo Domingos.

 

Fonte: //blogs.estadao.com.br/jt-seu-bolso/gravidez-exige-planejamento-financeiro/

Visite a Loja Virtual do Instituto DiSOP de Educação Financeira