Brasileiros não levam a lista e compram itens desnecessários

 

Importante estratégia na hora de economizar mensalmente nos supermercados, a parcela de brasileiros que usa a listinha para checar o que precisa na hora da compra só diminui. Hoje, 89% dos consumidores não levam a lista segundo pesquisa O Comportamento do Consumidor em Super e Hipermercados, realizada pelo Ibope Inteligência. Em 2004, esta parcela correspondia a 75% dos clientes.

O problema é que esta falta de organização gera compra de supérfluos que interferem em até 20% dos gastos nos supermercados. Reinaldo Domingos, educador financeiro, calcula que se uma família gasta mensalmente cerca de R$ 500, sendo R$ 100 com itens desnecessários, em 30 anos ela terá perdido R$ 218 mil, com a correção da inflação e os juros da poupança.

A orientação é que se faça um levantamento da despensa, geladeira, banheiros, etc. “Aconselho olhar os valores, mas também a quantidade em cada embalagem. Além de tentar anotar na lista o preço do produto no mês passado para servir de comparação”, argumenta Domingos.

Para Aline Santana, radiologista, a lista serve para lembrar o que não tem em casa. “Já comprei verdura que tinha na geladeira e acabei jogando comida fora”, relembra Santana. Outra estratégia é ir nos dias promocionais ao mercado, como aqueles que liquidam carnes e frutas. “É uma boa ideia, mas não são todas as pessoas que possuem tempo para isto”, diz Domingos. O educador acrescenta que quando as pessoas compram em feiras livres adquirem um alimento mais saudável e até 60% mais barato.

Reposição
Na corrida para economizar, a pesquisa demonstra que 59% das compras são feitas para aproveitar promoções. O comportamento dos consumidores também se modificou quanto às idas aos mercados.

Se antes, eles iam ao mês, agora compram para repor o que falta. “Aumenta a frequência, mas além de comprar o planejado, as pessoas também são impactadas pelos itens que estão lá”, pondera Luciana Barreto, diretora executiva do Popai Brasil, que requisitou o levantamento ao Ibope.

Já Ítala Costa, técnica de laboratório, não faz lista, mas não nega que algumas vezes compre itens que são desnecessários. “Normalmente, é uma roupinha para meu filho”, afirma. Apesar de ceder ao impulso, Ítala reforça que não ultrapassa seu orçamento.

Fonte: //www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-2/artigo/superfluos-representam-ate-20-das-compras-dos-brasileiros/

 

Visite a Loja Virtual do Instituto DSOP de Educação Financeira. Com o livro Terapia Financeira você aprenderá a ter o cuidado necessário para lidar com o dinheiro!