Nos inícios dos meses, a maioria dos trabalhadores recebe seus salários, contudo, muitas vezes esses não cobrem nem mesmo o limite tomado do cheque especial. Infelizmente, esta é uma constatação de milhões de famílias brasileiras. Prova disto são os dados de levantamento do Banco Central.

Segundo a pesquisa, se concentra entre os dias 1º e 10 do mês a entrada das pessoas no cheque especial, quando a média é 26,1% maior que no restante do mês. No cartão de crédito, o uso do rotativo é 59,8% maior entre os dias 5 e 15.

Isso mostra que os consumidores trabalham de forma totalmente errada o dinheiro, incorporando aos salários o limite da conta e o pagamento mínimo do cartão para fechar o mês. Ficando, com isso, pendurados nas linhas de créditos e esperando até o próximo salário. O mais grave é que este processo passou a ser uma rotina, prejudicial à saúde financeira.

O maior problema é que muitos acreditam que isso é normal, o que não é, pois, é possível mudar essa realidade, e, para isso, deve-se fazer escolhas e ter atitudes. Tomando o controle de sua vida financeira. Para facilitar esse caminho preparei dicas para que se mude esse quadro:

1. O primeiro passo é reunir a família para conversar sobre sonhos e objetivos, antes de falar em cortar despesas é necessário estabelecer os sonhos e saber quanto custa, entre eles estará o sonho de sair das dívidas.

2. Dividir os objetivos em curto prazo (até um ano), médio prazo (até dez anos) e de longo prazo (acima de dez anos).

3. No caso das dívidas é preciso detalhar quais são os credores, o quanto se deve, taxas de juros, se esta vencida ou a vencer e estabelecer uma estratégia para liquidar este problema.

4. Não procurar o credor antes de ter absoluto controle do dinheiro que entra e que sai, é preciso saber para onde vai cada centavo e cortar os gastos em excesso e supérfluos.

5. Caso o credor, queira receber imediatamente ou parcelar em condições que não caiba as prestações no orçamento, é preciso dizer não, negociando sempre a melhor alternativa para ambos.

6. No caso do cheque especial é preciso imediatamente procurar o gerente da conta e propor um cancelamento do limite e uma substituição de linha de credito alongada, com juros que não ultrapasse 2,5% ao mês.

7. Cuidado com gastos motivados pelo marketing publicitário, compre sempre com consciência, é preciso ter muita atenção e foco no que se quer e sonha.

8. Nunca ‘empreste’ seu nome para que parentes e amigos. Se eles não podem usar o próprio nome é porque provavelmente já estão com problemas de endividamento. Caso peçam, ajude-os a serem inseridos no caminho da educação financeira.

9. Quem tem prestações tem dívidas. Ao comprar, pense nas consequências de dividir os valores, é preciso saber que os próximos meses no orçamento estas prestações estarão comprometendo diretamente os ganhos futuros.

10. É preciso em reservas para emergências e também para a aposentadoria, a prevenção é o melhor caminho para não cair nas armadilhas financeiras.

 

Reinaldo Domingos, Educador Financeiro e autor dos livros Terapia Financeira e O Menino do Dinheiro, Presidente do Instituto DSOP de Educação Financeira

Fonte://www.tribunatp.com.br/modules/news/article.php?storyid=8806