Diversos usuários relataram dificuldades para consultar o primeiro lote da restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2011 no site da Receita nessa quarta-feira, quando os dados foram postos à disposição. A Receita, contudo, negou que tenha havido qualquer problema com o portal. Outra opção do contribuinte para verificar se foi ou não contemplado é o telefone 146. Ao todo, 1,5 milhão de trabalhadores vão receber R$ 2 bilhões. Dos beneficiados, 1,3 milhão têm mais de 60 anos e entraram na frente em respeito ao Estatuto do Idoso. As quantias serão creditadas no dia 15 por meio de depósito bancário e incluirão também devoluções residuais de 2010, 2009 e 2008. Os próximos seis lotes serão liberados uma vez por mês até dezembro.

Antes de comemorar a restituição do IRPF, contudo, é recomendado checar a situação com a Receita e conferir a existência de eventuais pendências. O motivo é que erros simples podem levar o contribuinte a cair na malha fina. Se houver necessidade de correções, o cidadão deve acessar o site da Receita e fazer os ajustes. A depender da irregularidade, o Fisco pode exigir que a pessoa compareça a um posto de atendimento, levando comprovantes e documentos. “Por isso é tão importante o processo de acompanhar a declaração, mesmo após a entrega dos formulários. Essa checagem é que vai garantir um processo mais rápido”, explicou a gerente operacional do escritório de contabilidade MG Contécnica, Alexandra Assis.

Dívidas

O educador financeiro Reinaldo Domingos, autor do livro Livre-se das dívidas, orienta os que conseguirem obter a restituição neste primeiro lote a aproveitar o dinheiro para quitar contas atrasadas. “A primeira preocupação das pessoas deve ser com financiamentos, cheque especial e cartão de crédito. Essas dívidas devem ser as primeiras a serem combatidas, já que as taxas de juros são mais altas do que a lucratividade de qualquer aplicação segura”, disse. Para os contribuintes que estão com as finanças em dia, o ideal é investir conforme os objetivos de cada família, sejam eles de curto, médio ou longo prazo. “O contribuinte precisa ter em mente que essa é a hora de combater as causas das dívidas e não o efeito. Para isso, o melhor caminho é reduzir gastos desnecessários.”

 

Fonte: //www.em.com.br/app/noticia/economia/35,3,35,9/2011/06/09/internas_imposto_de_renda,232911/contribuintes-tiveram-dificuldades-para-checar-devolucao-do-ir.shtml