O cartão de crédito se tornou uma facilidade usada por cerca de 140 milhões de pessoas no País, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços. A comodidade e a segurança faz com que o cartão seja uma das formas mais comuns de pagamento.


Um risco, porém, é a utilização sem limites – o que compromete a saúde das finanças pessoais. E, pior que isso, é o desconhecimento em relação às taxas pagas no rotativo. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que 72% dos usuários do “dinheiro de plástico” não sabem quais são os valores dos juros e taxas cobradas pelas operadoras no rotativo, algo que pode chegar a mais de 600% ao ano.

É aí que está o perigo do endividamento. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio, o nível de inadimplência entre as famílias brasileiras aumentou 65,2% em julho, comparação com o mês anterior. O cartão de crédito foi apontado por 75,2% delas como o principal fator de endividamento. Seguido por carnês, para 17,9%, e, em terceiro, por financiamento de carro, para 12,1%. “Para muitas pessoas é difícil se controlar diante das vantagens que os cartões de crédito parecem oferecer aos correntistas”, disse o educador financeiroReinaldo Domingos. No entanto, diz, a falta de conhecimento sobre os aspectos que envolvem o uso dessa facilidade pode levar ao acúmulo de dívidas.

Com a ajuda de Domingos, que também é presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Dinheiro reuniu oito dicas para você fazer o melhor uso do “dinheiro de plástico”. Confira:

1. O limite do cartão de crédito não deve ultrapassar 50% do salário ou ganho mensal.

2. Ao fazer parcelas fixas, é preciso ter consciência de que está comprometendo os meses futuros do orçamento mensal.

3. Evite pagar a parcela mínima da fatura. As altas taxas de juros levam à inadimplência. Caso não consiga pagar o valor total, é essencial fazer, imediatamente, um diagnóstico financeiro e descobrir o verdadeiro problema. Pesquise também outra linha de crédito que não ultrapasse 2,5% ao mês.

4. Não aceite pagar anuidade do cartão. Atualmente, é fácil encontrar cartões que não cobram nenhuma taxa de manutenção.

5. Nunca empreste o cartão de crédito à outra pessoa, mesmo que seja conhecida.

6. Se tiver apenas um ganho mensal, só deverá ter um cartão de crédito; se receber semanalmente, poderá ter até três, com vencimento nos dias 10, 20 e 30. Assim, poderá comprar seis dias antes do vencimento de cada um deles, ganhando 36 dias para pagamento.

7. Você emprestaria a uma pessoa desconhecida, deixando que pague em prestações sem juros? Dificilmente. O banco também não faz isso. Portanto, poupe dinheiro, compre à vista e peça descontos.

8. O cartão de crédito, muitas vezes, impulsiona as pessoas a consumirem sem motivos. Cuidado! Tenha responsabilidade na hora de comprar, sempre pergunte se precisa do produto, se tem toda a quantia necessária para adquiri-lo ou se terá como pagar a fatura total do cartão no seu vencimento.

Fonte://www.istoedinheiro.com.br/noticias/124150_DESCONHECIMENTO+DAS+TAXAS+DO+CARTAO+DE+CREDITO+LEVA+AO+ENDIVIDAMENTO