Estudar é um requisito básico para o sucesso de qualquer pessoa e, por isso, os meios que unem qualidade de ensino e segurança financeira tem atraído os olhares de muitos estudantes.


Os financiamentos estudantis acabam por constituir uma ótima opção para o ingresso em instituições de ensino não gratuitas, uma vez que facilitam o custeio dos cursos, proporcionando assim maior flexibilidade financeira ao público estudantil.

Para Reinaldo Domingos, educador e terapeuta financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira, independente do financiamento trazer taxas de juros baixas, juros são juros. O educador alerta que é preciso, antes de contrair o financiamento, buscar educar-se financeiramente.

“Acredito na educação e, no caso específico da educação financeira, tenho a convicção de que uma família educada financeiramente pode até deixar de fazer o financiamento estudantil e, com a melhor forma de administrar o dinheiro, encontrar dentro do próprio orçamento financeiro mensal o valor para pagar os estudos dos filhos”, relata Reinaldo.

A principal linha de financiamento estudantil disponível no mercado é o FIES, que é o Fundo de Financiamento Estudantil do Ministério da Educação, operado pela Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Para aderir, o estudante deve acessar o site do FIES e preencher o cadastro, em seguida, validar as informações na instituição de ensino e por último comparecer ao banco selecionado para formalizar a contratação.

As principais vantagens são as taxas de juros de apenas 3,4% ao ano e a condição de pagamento com 18 meses de carência após a conclusão do curso. Com isso, o estudante poderá se programar e, com os conhecimentos adquiridos em sua graduação, terá condições plenas de saldar este compromisso sem muitos apertos. Uma graduação de 4 anos de duração, por exemplo, pode ser paga em até 13 anos.

No entanto, o consultor financeiro e pessoal Rogério Olegário do Carmo, da Libratta Finanças Pessoais, ressalta que é necessário ter cuidado e analisar bem os riscos e consequências de uma dívida de longo prazo. Em 13 anos podem acontecer muitas mudanças na vida de uma pessoa e na economia do país. “É muito importante evitar financiamento de longo prazo, especialmente no Brasil, onde as mudanças das regras econômicas são, na maioria das vezes, prejudiciais à população”, ressalta Rogério.

Listamos abaixo dois outros tipos de serviços exclusivos para o público estudantil:

PRAVALER Bolsas e Financiamentos Estudantis

Tipo: Promove o parcelamento de pagamento das mensalidades.
Forma de Contração: Inicialmente online e posteriormente na instituição.
Custo: de 0% a 2,19% ao mês dependendo da faculdade e do curso.
Site: www.creditouniversitario.com.br

MAIS ESTUDO

Tipo: Oferta bolsas parciais com descontos de até 70% sobre o valor da mensalidade.
Forma de Contratação: Inteiramente online
Custo: R$ 60 a cada seis meses, somente enquanto estiver estudando.
Site: www.maisestudo.com.br

Fonte: //br.financas.yahoo.com/noticias/financiamento-estudantil-especialistas-indicam-os-pr-e-contras-204100626.html