Alguns termos já fazem parte do cotidiano, contudo, a definição exata ainda é um mistério para boa parte da população. Isso ocorre com os termos dívidas, inadimplência e compromissos; mas quais a real diferença entre eles? Vamos começar com o mais simples que são os compromissos.


Segundo o autor do best seller Terapia Financeira, Reinaldo Domingos, os compromissos são obrigações que se têm mensalmente, como aluguel, telefone, internet, pois são despesas que se sabe que terá, mas ainda não se tornaram uma dívida, uma vez que a mensuração do valor só ocorrerá ao fim do período. Os consumidores que possuem compromissos devem ter uma planilha com tudo anotado, data de pagamento e uma estimativa do valor.

Já os termos dívidas e inadimplência, explica Domingos, se confundem muito, porém, dívidas é muito mais amplo. Funciona da seguinte forma: inadimplência ocorre depois que o consumidor se compromete com o pagamento de algum valor em uma data, contudo, não consegue realizar dentro do prazo. Em função disso, ocorrem cobranças, tendo até o risco de o consumidor ter seu nome em lista de devedores de alguns órgãos, como Serasa e SPC.

Segundo Reinaldo Domingos, dívidas englobam os consumidores que estão inadimplentes, mas abrange um número muito maior de pessoas; nesse grupo, também estão as pessoas que compram um produto e parcelam, quem financiam carro ou casa, distribuem cheques pré-datados, pagam a parcela mínima do cartão, pegam dinheiro emprestado e tem que pagar parcelas desse empréstimo, dentre outros. Em resumo, essas são as pessoas que já se comprometeram com um valor a ser pago, caso contrário, a pessoa se tornará inadimplente.

“Para exemplificar, se você financiou um carro, você tem uma dívida; agora, se deixou de pagar as parcelas, além da dívida, também está inadimplente. Nesta situação, infelizmente, se encontra a grande maioria da população, e isso é retrato da facilidade para obtenção de créditos e facilidades de compra”, destaca Domingos.

Para os consumidores inadimplentes e com dívidas, a situação é muito arriscada, podendo refletir em diversos pontos do seu cotidiano, como relação familiar e profissional, observa Domingos. Assim, é necessário fazer uma ação de guerra, repensando toda a vida financeira para não agravar cada vez mais a situação.

O inadimplente tem que tomar a ação mais difícil, que é negociar os valores com os credores. É importante ter em mente que as pessoas querem receber esse valor. Tendo isso em mente, é a hora de buscar um consenso. Nunca esquecendo que o valor definido terá que caber dentro do orçamento mensal.

Para quem está endividado, mas não inadimplente, a obrigação é honrar com suas obrigações e, para que isso ocorra, os valores devem estar no orçamento mensal. Pagando tudo dentro do prazo e, se possível, adiantando o pagamento dos valores e eliminando as dívidas o mais rápido possível. Qualquer “bobeada” pode ser muito perigosa, fazendo com que se torne inadimplente, por isso, é fundamental a educação financeira, descobrindo a maneira correta de tratar o dinheiro, conclui Reinaldo Domingos.

Fonte://jornalenoticias.com.br/mirian/?p=28211