Uma das datas que mais movimentam o mercado mundial está chegando: dia 28 de novembro, conhecida por Black Friday.


Em outros países, os descontos são realmente muito altos e, por vezes, pode ser uma boa oportunidade de comprar o que estava planejando, antes do prazo estipulado, mas por um preço bem menor. No entanto, aqui no Brasil, a situação é um pouco diferente e, quem não for atento, pode ter suas finanças seriamente comprometidas.

Muitas lojas prometem proporcionar grandes descontos para os consumidores. Contudo, todo cuidado é pouco, pois, o que se observou no ano passado foi que, na verdade, muitas marcas agiram de forma errada com os clientes, elevando os preços expressivamente alguns dias antes, para, depois, dar os “descontos”.

É importante, então, estar atento nos preços dos produtos já há algum tempo, para que não seja enganado e tenha a falsa sensação de estar economizando. Se realmente houver uma redução, essa será uma ótima chance para quem já sabe o que quer comprar para o Natal, por exemplo. Só não pode deixar que os impulsos das promoções se transformem em endividamento.

“Comprar adequadamente e com bons descontos é um dos principais segredos da educação financeira e da arte de poupar. Mas não recomendo que comprem coisas que não estejam dentro de seu planejamento, pois, normalmente são nos impulsos das promoções e do consumismo descontrolados que as pessoas se endividam”, alerta o educador e terapeuta Reinaldo Domingos, autor das obras Livre-se das Dívidas e Terapia Financeira (Editora DSOP).

E, para quem já se planejou e quer encarar uma maratona de compras, é importante algumas orientações. A principal é ter uma dose extra de paciência. “Muitas vezes, por estarem estressadas, as pessoas compram por impulso, sem pesquisar, e, em função disto, pagam mais”, lembra Domingos.

O educador financeiro também alerta em relação ao consumismo exacerbado. “As pessoas são estimuladas ao consumo e acham que é fundamental gastar mais do que possuem. Assim, para poder arcar com estes gastos, utilizam de linha de créditos, como parcelamentos – que nada mais são do que forma de formas de endividamentos. Isto, em conjunto com outros compromissos já firmados, se torna uma ‘bola de neve’ que leva à inadimplência. Assim, é fundamental educação financeira para que a aquisição de um bem tenha significado e aconteça por meio de reflexão e dentro das reais condições financeiras”, explica o educador.

Veja outros cuidados que devem ser tomados que a DSOP pontuou para economizar na hora de comprar na Black Friday:

1) Não compre se para isso precisar se endividar. Parcelamento também é uma forma de dívida. Se for inevitável, tenha certeza de que cabe no orçamento.
2) Analise se a compra não trará custos extras para a família ou para a pessoa posteriormente.
3) Se antecipe à Black Friday, pesquisando os preços dos produtos que deseja comprar para ver se os descontos que darão realmente são interessantes.
4) Faça uma lista detalhada de tudo que pretende comprar e quem deseja presentear e quanto pretende gastar com cada um.
5) Se estiver em situação financeira problemática, e quiser adiantar as compras de Natal, uma dica é priorizar as crianças. Será mais fácil explicar para os adultos o jovens o motivo de não receberem presentes.
6) Utilize a internet como meio de pesquisa, mas cuidado, só acesse e compre em sites confiáveis, crimes digitais são cada vez mais comuns.
7) Se prepare para ir as compras nas lojas com tempo e roupas confortáveis, além disso é importante uma dose extra de paciência, evitando que se compre rapidamente para acabar com o martírio.
8) Procure, por meio de conversas, saber quais são os reais desejos das pessoas. Muitas vezes se compra coisas caras, sendo que presentes baratos seriam muito mais bem vindos.

Fonte://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,719196,Black_Friday_como_nao_gastar_mais_do_que_devia,719196,4.htm,719196,Black_Friday_como_nao_gastar_mais_do_que_devia,719196,4.htm