2014-02-25-dinheiroDiferente do ditado, “Quem trabalha muito não têm tempo para ganhar dinheiro”, não existe êxito financeiro sem que o indivíduo busque isso com garra determinação e engajamento.

De acordo com uma publicação da revista Exame, foi pensando nisso que a empresa de consultoria especializada no mercado financeiro, Spectrem, realizou neste ano, uma pesquisa que mostra a impossibilidade de se ter um caminho fácil para se tornar um milionário. Um dos primeiros fatores no ranking que levaram os investidores mais ricos dos Estados Unidos a acumular riqueza é trabalhar muito, de acordo com a pesquisa.

A publicação aponta que foram ouvidos 132 mil investidores americanos que possuem patrimônio acima de US$ 25 milhões. Cerca de 87% dos consultados afirmaram que o motivo para o acúmulo de sua riqueza foi trabalhar muito, seguido dos fatores: educação, presente em 78% das respostas, investir de forma inteligente 72%, aceitar riscos 63% ter uma vida simples 59% e dirigir o próprio negócio 46%, também aparecem entre os fatores listados pelos milionários.

Outros motivos citados por eles foram: estarem no lugar certo na hora certa, ter sorte e ou receber heranças foram mencionados por 56% e 53% e 30% dos entrevistados, respectivamente. Cerca de 70% dos milionários consultados afirmam que ter economizado dinheiro lhes proporcionaram mais satisfação do que gastar suas fortunas. 49% atribuem grande parte de sua felicidade à riqueza que conseguiram acumular.

Milionários no País

De acordo com estimativas da consultoria Wealth Insight, publicadas na revista Exame, mais de 17 mil brasileiros se tornaram milionários em 2014, o dado mostra que houve uma alta de 8,9% em relação aos 194.300 milionários registrados até o ano anterior. Nessa perspectiva, o Brasil se manteve em 5º lugar quanto ao aumento percentual no mundo, atrás apenas de Indonésia, Índia, Nigéria e Estados Unidos. Quem lidera o topo desse ranking atualmente são os EUA, tanto em número absoluto de milionários (5,2 milhões) quanto em novos integrantes deste grupo em 2014 (496.945).

A estimativa do Credit Suisse, ainda revela que o Brasil tinha 221 mil milionários em outubro do ano passado e vai ganhar 186 mil nos próximos cinco anos, ou seja, obteve crescimento de 84%. As discrepâncias entre a Wealth Insight e o Credit Suisse são provavelmente resultado de metodologias diferentes na hora de medir o valor de propriedades imobiliárias.

Para o consultor financeiro Reinaldo Domingos, além de ser um número pequeno, se comparado à população total do País, essas pessoas não são as que mais movimentam a economia. “Para o leitor ter uma noção, só no INSS estão 28 milhões de pessoas, número muito maior que a população milionária. Além disso, quem realmente movimenta o mercado brasileiro são as classes média e baixa”, ressalta.

Um exemplo a seguir

Djalma Rezende, advogado agrarista, nascido em Mineiros GO, apesar de não se considerar um homem rico, conta ter adquirido seu patrimônio atual com muito esforço e trabalho, acordando de segunda a segunda antes mesmo das seis da manhã e só descasando em poucos momentos do dia. Ele ressalta que todo seu dinheiro é fruto desse emprenho, de sua dedicação quase que integral ao exercício do direito.

O advogado que tem três filhos e atualmente namora uma estudante de Direito, já foi casado e garante: “Quem quer crescer na vida não precisa ter nascido em berço de ouro ou ser o mais inteligente para ficar rico.” Para ele o essencial é saber ser eficiente e buscar a excelência no seu trabalho para que ele dê frutos, em seu caso, carros, casa e até mesmo um avião avaliado em cerca de R$ 22 milhões. “Na realidade, sou apaixonado por automóveis, gosto dos meus carros. Já o avião é mais por uma questão de trabalho, mais uma ferramenta a meu favor. Meu tempo é precioso e vale dinheiro, mas é lógico que traz conforto e é seguro”, afirma o advogado que diz usar o avião poucas vezes para seu lazer.

Djalma conta com orgulho das pessoas que ajuda e já passaram por sua trajetória, além disso, ele afirma que não deduz nenhum centavo de suas doações do seu Imposto de Renda (IR). Para ele essas ações devem ser totalmente isentas, sem nenhum benefício em troca senão de ver que o bem que ele fez mudou e melhorou a vida de outras pessoas.

Um bom exemplo dessas benfeitorias é a que ele fez a família de um jovem de 15 anos que mora em Goiânia. Os pais do garoto já faleceram. Djalma construiu e mobiliou uma casa no Jardim Curitiba para ele e a irmã, que atualmente tem 18 anos morarem, com a morte dos tios que criavam os dois, eles tiveram de se mudar para a casa de outra tia e alugaram a casa doada pelo advogado, que nessa situação os ajudou financeiramente mais uma vez.

Ele afirma não se considerar um homem rico e não possuir uma fortuna, mas se comparado à maioria das classes, seu patrimônio representa algum valor. “Penso que se comparar a fortunas, o que eu possuo está muito a quem. Eu me dedico exclusivamente à advocacia, não tenho posto de gasolina ou estabelecimentos comerciais. Acredito e trabalho muito para manter o que tenho”, diz. Ele conta que é muito grato primeiramente a Deus por ter concedido a ele mais até do que sonhou um dia possuir. “Tenho saúde para trabalhar e isso é o mais importante, já fui carvoeiro, oleiro, engraxate, servente de pedreiro então aqui na verdade eu me divirto com os livros, sou apaixonado pelo Direito”, explica.

Fonte: //www.dm.com.br/texto/196105