educacao-financeira-emergencia-pessoal

Pesquisa do SCPC aponta que 60% dos entrevistados utilizariam parte dos recursos aplicados em uma eventual emergência financeira

Segundo pesquisa do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC Boa Vista), divulgada na terça-feira (11), apenas dois em cada 10 pais têm aderido à mesada como uma forma de educar os filhos financeiramente.

“É reflexo de uma redução do próprio orçamento familiar”, argumentou o economista da instituição, Flávio Calife, em matéria do Correio Braziliense.

Apesar de 63% buscarem estimular a educação financeira na infância, 42% também têm o hábito de poupar recursos para os filhos — número inferior ao observado na pesquisa anterior, em 2015. No ano passado, 45% dos responsáveis afirmavam reservar dinheiro para o futuro das crianças. Entre as pessoas consultadas, 60% afirmam que utilizariam parte dos recursos aplicados em uma eventual emergência financeira. Desses, 56% usariam todo o dinheiro investido.

Seja dinheiro investido em poupança ou outros ativos, é fundamental que os pais se organizem financeiramente para não retirar recursos ou postergar as aplicações, recomenda a diretora de Previdência e Vida Resgatável da Mapfre Seguros, Maristela Gorayb, também em entrevista ao Correio Braziliense.

“É preciso organização para que os recursos permaneçam intactos. Cada aplicação deve ter um propósito”, disse.

Para o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, é interessante que, nas mesadas, os pais dividam os recursos pela metade: uma para consumo e outra para realização de sonhos. “É importante que a criança não seja acostumada apenas a poupar, mas também a gastar.”

Fonte: //www.noticiasaominuto.com.br/economia/291759/planejamento-financeiro-das-familias-e-afetado-pela-crise-economica