Seja para quem está com dívidas ou simplesmente para quem precisa quitar os gastos do mês, dinheiro é um dos principais motivos de brigas de casal.

Brigas de casal

Uma pesquisa encomendada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz, de 2014, mostra que 16,7% dos cônjuges afirmam que o jeito como eles gastam o próprio dinheiro acaba virando motivo de conflito dentro de casa. Mais: quando se trata de casais com muitas contas em atraso, 22,7% admitem que as finanças são razão para discussões.

Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), explica que o desconhecimento do valor do salário do companheiro ou como ele gasta é um dos principais problemas que percebe em suas consultorias.

— Isso é bastante preocupante, já que demonstra uma grande possibilidade de problemas relacionados ao dinheiro no futuro. É por isso que a primeira dica que dou em relação ao tratamento do dinheiro pelo casal é sempre muito diálogo — indica. — Questões como a forma que se dará a divisão das contas, por exemplo, são fundamentais. O segredo é colocar tudo na mesa, sem esquecer que o assunto mais importante a ser conversado não são as despesas, e sim os sonhos e desejos individuais e coletivos.

Antes que as primeiras brigas de casal por conta de dinheiro surja na sua relação, Domingos preparou algumas dicas para que as finanças não sejam motivo de conflito. Confira:

1. Vale fazer reuniões frequentes entre o casal para debater as finanças. Porém, diferente do que costuma acontecer, esse não deve ser um momento apenas de tensão, mas sim de projeção;

2. Estabeleça sempre sonhos de curto, médio e longo prazos, lembrando que se deve ter objetivos coletivos e individuais;

3. Um ponto que geralmente é foco de divergências é o padrão de vida que o casal leva. Faça um diagnóstico financeiro e, com os números reais da vida financeira, ajuste o padrão dentro dessa lógica;

4. Outro motivo de briga é o fato de um dos parceiros ser mais acomodado. É importante entender que cada um possui um estilo. A dica de Reinaldo Domingos é buscar de um meio termo, com regras bem estabelecidas e não ficar batendo sempre na mesma tecla;

5. O ponto fundamental é que, quando só um dos parceiros trabalha fora de casa, o outro também deve se ter a preocupação com a vida financeira a longo prazo – no caso, a aposentadoria;

6. Caso tenham filhos, é preciso inclui-los na conversa sobre dinheiro e, mais do que isso, também devem chegar a um acordo sobre como será a educação deles em relação às finanças;

7. Se um dos parceiros fez alguma ação errada em relação ao dinheiro, lógico que haverá um nervosismo inicial, por isso, tente deixar o debate para um momento no qual já conseguiu se acalmar um pouco e refletir sobre o ocorrido. Contudo, não finja que nada ocorreu: guardar pode causar “estouros” futuros;

8. Lembre-se que é nas dificuldades que vemos com quem realmente podemos contar. Assim, em caso de crise financeira, em vez do distanciamento, o ideal é buscar estar mais perto de quem gostamos.

Fonte: //goo.gl/lzFXoF