Subir ao altar é o sonho de muitos casais. Mas se planejar o casamento é fundamental para não transformar o grande dia em um problema financeiro. Cortar alguns nomes da lista de convidados, abrir mão da festa e pechinchar com os fornecedores ajudam a controlar o orçamento e fazem a celebração caber no bolso.

Planejar o casamento

O casal precisa ter os pés no chão, conversar abertamente sobre o que cada um espera para o dia e definir quais são as prioridades. “O primeiro passo é planejar o casamento com antecedência da data que pretendem formalizar a união. O tempo é um aliado para pesquisar e negociar”, aponta o educador financeiro da DSOP, Edward Cláudio Júnior.

Antes de qualquer decisão, os noivos precisam saber o quanto podem dispor para a cerimônia. “Definam um valor limite para os gastos. Avaliem quanto dinheiro vocês já têm reservado e quanto do salário podem destinar para parcelas, mensalmente”, aconselha o especialista. Grande parte de fornecedores de casamento exigem que os serviços e encomendas sejam pagos integralmente até a data do evento.

Orçamento apertado não significa que o casal não poderá comemorar a data, apenas que será necessário planejar o casamento, buscar alternativas criativas e abrir mão do que não é a prioridade dos dois. A regra entre os especialistas no assunto é clara: se quer economizar, corte convidados. “Isso é um dos principais indicadores que refletem no valor total do casamento. Quanto mais pessoas, mais gastos”, alerta a consultora Raquel Esteves, da Plim Assessoria em Eventos.

Escolher o estilo de celebração determina as despesas. Os preços para casamentos no cartório são tabelados por estado brasileiro e podem variar de acordo com o tipo de regime de bens escolhidos pelo casal e onde a cerimônia será realizada. Se o casal optar por oficializar a união no religioso, deve procurar a igreja escolhida para saber os valores e datas disponíveis, já que em algumas pode haver fila de espera.

Em casamentos religiosos, é importante lembrar que o casal terá o custo da decoração do espaço. Em igrejas que disponibilizam mais de um horário por noite, os noivos devem entrar em acordo sobre o que será feito e dividir o valor igualmente.

A escolha da data também pode aliviar os gastos. O dia mais caro para casar é o sábado à noite, “por ser o mais tradicional”. Os casais podem optar por fazer a cerimônia em uma quinta ou sexta-feira à noite ou até mesmo no domingo pela manhã. “É uma diferença drástica no preço e no espaço para negociar. Se a pessoa foge do dia com mais demanda, é fácil conseguir um desconto de até 30%, pois, para o fornecedor, é um dia sem movimento”, destaca Camila Piccini, CEO do Grupo Casar.

A universitária Letycia Lopes Tyrka, 19 anos, e o advogado Kelvin Tyrka Lopes, 24, oficializaram a união no começo do mês. “A princípio não tínhamos um orçamento, apenas a certeza de que não contávamos com muito para gastar e precisaríamos de toda ajuda necessária”, lembra Letycia. Para tudo dar certo, contaram com a ajuda das famílias.

O casal optou por fazer o casamento na igreja e uma recepção em um restaurante. “Fizemos a reserva em uma churrascaria. Cada um pagava o seu e os noivos não pagavam, optamos por ser melhor assim e nossos convidados compreenderam”, conta. Toda a decoração ficou por conta do casal e de familiares. “Não teríamos condições de pagar por fornecedores de forma alguma”, explica Letycia. “Fazer as coisas em casa significa uma economia real, mas é preciso ficar atento ao tempo e envolver uma rede de ajuda para conseguir distribuir as responsabilidades entre pessoas de confiança”, aponta a assessora em eventos Mira Melke, idealizadora do blog Clube Noivas.

A estrela da noite

Vestido, carro para chegar até a igreja ou recepção, joias, penteados, maquiagem… muitos são os detalhes que uma noiva tem que pensar para o grande dia. Mas é possível fazer tudo isso caber no orçamento. O vestido usado por Letycia não estava na sessão de noivas, mas de festa. “Saiu muito mais barato. Paguei R$ 400 pelo aluguel, enquanto via vestidos de noivas por R$ 3 mil”, comemora. O sapato era emprestado de uma prima e a coroa conseguiu como brinde na loja do vestido.

Noivas também devem ficar atentas aos preços cobrados nos salões de beleza. “Minha prima ligou para um salão e perguntou sobre cabelo e maquiagem para noiva e falaram que custava R$ 460. Depois, eu perguntei para mesma moça sobre cabelo e maquiagem para madrinha e cobraram R$ 280, no mesmo local, com os mesmos produtos e profissionais”, lamenta.

Para o vestido, existe a possibilidade de alugar, comprar ou mandar confeccionar. “Para quem não pode gastar muito, vale optar por um aluguel, que é mais em conta”, sugere a assessora em eventos Mira. Ela lembra que pesquisar é essencial para encontrar o vestido que caiba no bolso. “Se a noiva tem mais de seis meses, pode encomendar pela internet, mas é importante que tenha alguém de confiança para fazer ajustes”, lembra. “Muitas noivas que se casaram também vendem o vestido mais em conta após usarem apenas uma vez”, complementa.

Fonte: //goo.gl/eHndaF