Em tempos de crise, toda contenção de gasto é essencial. Mas como viajar nas férias e voltar sem dívidas? Pode não parecer, mas isto é possível com algumas pequenas mudanças de comportamento, conseguidas por meio da reeducação financeira.

Férias sem dívidas

Por serem período de férias escolares, muitos pais tentam tirar alguns dias de descanso para poder curtir em família. E não há nada de errado nisso, mas o perigo está em não se planejar para essa programação, gastando mais do que pode.

De acordo com o educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), o primeiro passo é rever o orçamento financeiro.

“Ter ciência dos seus números é o grande segredo. Parece estranho dizer, mas muita gente não sabe qual é a renda mensal, especialmente aqueles que possuem renda variável, e muito menos no que anda gastando o dinheiro. Com essa análise, já dá para partir aos planos do que a família (casal ou indivíduo) irá fazer durante esses dias”, diz o especialista.

Após pesquisas e negociações, se a situação financeira permitir, ótimo, só resta aproveitar e passar bons momentos juntos! Mas se estiver complicado, é importante rever a programação e fazer ajuste para que se encaixe no real padrão de vida.

“Até porque, dar o passo maior que a perna nesse momento é exatamente o que faz o que era para ser diversão se transformar em preocupação pelos próximos meses”, aconselha.

Para quem vai fazer alguma viagem, Reinaldo Domingos elaborou algumas orientações para agir com tranquilidade:

– Reúna a família para falar sobre a situação financeira, pois, quando todos estão cientes, fica mais fácil economizar;

– Inclua as crianças no planejamento da viagem. Acredite, elas compreendem muito mais do que imaginamos;

– Pesquise preço de pacotes de viagem e passagens de avião em, pelo menos, três lugares físicos e virtuais. Sempre consulte se possui milhas em seu cartão de crédito, pois isso ajuda a diminuir os gastos;

– Caso vá sair do País, é imprescindível adquirir a moeda local, na seguinte proporção: 80% em cartão pré-pago e 20% em espécie. É interessante cada membro da família ter o seu cartão com os limites já estabelecidos na conversa tida anteriormente;

– Levar no máximo dois cartões de créditos, com vencimentos próximos e posteriores à data da viagem. Informe a operadora de cartões para que saiba que estará fora do País durante esse período;

– Qualquer que seja a viagem, do total do valor gasto deverá levar uma reserva de 30% a 50% a mais, uma vez que imprevistos podem acontecer.

Fonte: //goo.gl/E3xkZr