Na última quarta-feira (19), o Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) concedeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro à Literatura de Cordel, gênero literário que teve expansão no Brasil na segunda metade do século XIX e que aborda episódios históricos, temas religiosos, lendas, entre outros fatos do cotidiano.

A produção da literatura de cordel é feita principalmente na região Nordeste, nos estados da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia. Atualmente também é possível encontrá-los em feiras culturais e livrarias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

E diante desta notícia tão importante para a cultura nacional, a Editora DSOP também tem motivos para comemorar. Recentemente, o livro “O Menino do Dinheiro em Cordel”, idealizado por Reinaldo Domingos em parceria com o escritor José Santos, foi aprovado no PNLD Literário 2018, que irá oferecer livros para alunos da Educação Infantil, dos anos iniciais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio das escolas públicas de todo o Brasil. Isso porque o livro segue as normas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelece referências para os currículos escolares no País para os próximos anos, e classificou a educação financeira como habilidade obrigatória entre os componentes curriculares. Ao todo, foram mais de 1.000 obras inscritas.

O escritor mineiro José Santos se apaixonou pela literatura de cordel ainda jovem após fazer uma longa viagem pelo nordeste e explica que esse reconhecimento foi fruto de anos de discussão e mobilização dos cerca de 6 mil cordelistas espalhados Brasil afora.

“Creio que todo reconhecimento é importante porque ajuda a divulgar e difundir ainda mais essa cultura. Além disso, com as escolas escolhendo os livros através do PNLD é uma grande oportunidade de divulgar o nosso trabalho.  A Editora DSOP apostou no gênero e é um produto novo, que consegue misturar de forma harmônica os conceitos da educação financeira com as mensagens e imagens do mundo do cordel”, conta Santos.

No livro “O Menino do Dinheiro em Cordel”, o protagonista viaja até o Recife para visitar o avô e para isso coloca em prática a Metodologia DSOP para poder poupar e realizar esse sonho. Lá ele entra em contato com a riqueza e belezas naturais através da arte do cordel. O personagem encara uma verdadeira jornada de autoconhecimento ao lidar com as questões financeiras contadas pelos repentistas Chico do Bolso Furado, que gastava muito e Maneco Nômico, que era mais controlado com as finanças. Os dois artistas entram em conflito e a história se desenvolve a partir desse embate.

“Temos dois caminhos no cordel; podemos pegar outras histórias e adaptá-las. O cordel nos dá essa abertura e o Reinaldo, já tendo esse personagem, me convidou para fazer essa obra. Claro que aceitei na hora”, afirma Santos.

Abaixo os dois batem um papo sobre o processo de realização do livro. Confira:

 

Além desse, o livro “Futebolíada“, também escrito por José Santos e lançado pela Editora DSOP, foi aprovado no PNLD Literário 2018. A obra traz a história de “Ilíada”, de Homero, contada como se fosse um jogo de futebol.  Com leveza, graça e humor, o autor escala Odisseu, Aquiles, Pátroclo, Heitor, Ares, Páris e traz, também, deuses como Apolo e Hera para participar da brincadeira.

DEIXE SEU E - MAIL E RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS