Quando se fala em terapia, logo vem à mente questões emocionais e comportamentais e na Terapia Financeira não é muito diferente. Completando um ano de existência, essa nova profissão tem como foco mudar hábitos e costumes adquiridos ao longo da vida, que levaram as pessoas a se desequilibrarem financeiramente, prejudicando-as em todas as esferas da vida.

Em setembro de 2017, o Curso de Formação de Terapeuta Financeiro DSOP começou a capacitar profissionais para exercer essa atividade e propiciar a elas o completo domínio da utilização de seus recursos financeiros, levando-as a saúde financeira para a realização de seus propósitos e sonhos.

Na Terapia Financeira, o dinheiro é tratado de forma comportamental, diferente da consultoria, onde o assunto é abordado pontualmente, resolvendo um problema momentâneo, sem tratar a causa, para que não volte a ocorrer. Esse é um dos principais motivos para que esse serviço seja cada vez mais requisitado; a busca pelo controle financeiro, que possibilitará mais realizações de curto, médio ou longo prazo.

“Mesmo sendo uma atividade relativamente nova, a Terapia Financeira tem possibilitado que as pessoas alcancem a própria sustentabilidade financeira através da realização de sonhos. Diferente do coaching e da psicologia, ela busca um equilíbrio entre o Ser e o Ter por meio de uma metodologia comportamental”, explica o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos.

Através de encontros agendados, que podem ser presenciais ou virtuais, é possível descobrir qual é o seu perfil financeiro: endividado, equilibrado ou investidor. Além disso, a Terapia Financeira é destinada para três públicos: individual, para casais ou famílias e, dependendo da necessidade de cada um, esses encontros podem ser semanais, quinzenais ou até mensais.

No processo de terapia, é necessária a descoberta do ‘eu financeiro’ e a readequação do padrão de vida das pessoas, tornando assim possível a estruturação de um planejamento adaptado para as singularidades de cada situação. Com isso, se respeita os orçamentos, os anseios e os sonhos de cada indivíduo.

A educação financeira diz respeito aos hábitos e comportamentos, que geralmente são passados de geração para geração, por isso é fundamental considerar esse histórico para poder administrar as finanças com mais sustentabilidade e consciência.

São desenvolvidas também outras importantes etapas, como o Diagnóstico Financeiro, o resgate dos sonhos e o Orçamento Financeiro que estabelece como prioridade mensal a conquista dos objetivos.

“Resgatar os sonhos é um dos passos mais importantes, pois eles são as principais motivações para tomar as rédeas da situação financeira. Vejo que muitas pessoas não acreditam que podem conquistar o que desejam e por isso nem ao menos traçam um planejamento”, afirma Reinaldo.

É importante esclarecer que o terapeuta financeiro não administra o dinheiro da pessoa, pelo contrário, ela aprende a agir de forma diferente. Isso por meio da Metodologia DSOP, baseada nos pilares Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar.

Em apenas um ano de existência, a Terapia Financeira já deu importantes passos, promovendo mudanças para que as pessoas alcancem a sustentabilidade financeira, sabendo administrar sua renda de forma mais consciente e saudável.