Finanças pessoais
Tendência

Pesquisa aponta que 86% da população foi muito prejudicados financeiramente pela pandemia

Pesquisa divulgada em agosto pelo Instituto Axxus aponta que 86% dos entrevistados tiveram suas finanças muito prejudicadas em função da pandemia, para 8% o momento prejudicou apenas um pouco e 4% não sentiram prejuízos (2% não quis responder). Foram entrevistados para o levantamento 2.500 pessoas de todas as regiões do país e a margem é de erro 2% e o nível de confiança 95%.

Outro ponto importante que foi apresentado é que 76% reconhecem que não estão administrando bem o dinheiro. “A pesquisa analisou questões muito relevantes relacionadas ao momento vivido e, infelizmente, vemos que o impacto da pandemia foi muito negativo para as pessoas”, observa Rodnei Domingues, CEO do Instituto Axxus, responsável pelo levantamento.

A pesquisa ainda apontou que os principais erros que cometeram no período foram comprar demais (58%) e fazer dívidas (29%). Com isso o resultado é que apenas 2% dos pesquisados afirmaram ser poupadores, 13% equilibrados financeiramente, 55% endividados e 30% muito endividados.

Outro dado preocupante apontado é que quando perguntados sobre a previsão financeira após a pandemia, em comparação a 2019, 17% acreditam que ficará igual ou melhor e 83% acreditam que ficará pior.

“É gritante o resultado da falta de educação financeira apresentando pelo estudo, mostrando o que sempre afirmei em relação ao tema e que as pessoas não estão prontas para enfrentar crises. Com a crise muitas pessoas perderam rendas, contudo, em situações como essa é preciso estar prevenido com reservas e com a possibilidade de cortar despesas. Mas, isso não acontece, levando muitos ao descontrole e ao desespero”, analisa o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos.

Esse fato é também comprovado pela pesquisa que aponta que 71% tiveram insônia devido dificuldades financeiras e que 45% somatização e 14% entraram em depressão. “Temos que levar a educação financeira como uma questão séria e que tem reflexo na saúde, não temos mais como deixar isso para segundo plano”, completa Reinaldo Domingos. 

Veja outros pontos relevantes apontados pela pesquisa: a aposentadoria dos idosos foi muito importante para 36% dos entrevistados que foram muito prejudicados pela crise. 24% dos jovens (até 30 anos) pararam de estudar devido as dificuldades financeiras e 19% não sabem (se e) quando irão voltar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo