Para conseguir economizar e comprar a casa própria, é preciso reduzir despesas

Quem pretende sair do aluguel e comprar um imóvel pode aproveitar o momento do crédito favorável para fechar negócios, mas é preciso rever seus gastos e começar a economizar para garantir a compra. É o que dizem os especialistas em finanças.

Para conseguir economizar, os gastos com aluguel não devem ultrapassar 20% da renda. “Deixar de pagar aluguel e passar a pagar por algo que é seu é um projeto que envolve toda a família e todos precisam criar o hábito de planejar os gastos e executar esse plano conforme o previsto”, explica Cláudio Carvajal Júnior, coordenador dos cursos de Administração da Faculdade Módulo e coautor do livro Como sair do vermelho e se tornar um investidor de sucesso (Editora Porto de Ideias).

“O ideal é que a pessoa consiga guardar cerca de 10% da renda por mês para dar de entrada na moradia”, explica. “Cortar gastos não é tão fácil, mas é o mais comum para atingir o objetivo”, acrescenta ele. “O Brasil conseguiu passar bem pelo momento da crise mundial e hoje a taxa de juros é relativamente baixa e os prazos de pagamento estão maiores.”

Reinaldo Domingos recomenda ao comprador fazer uma simulação no site do banco para saber quanto custaria o financiamento de um imóvel no valor que ele deseja. “Um exemplo: uma casa de R$ 100 mil poderia ser financiada em 30 anos ao custo de R$ 500 por mês. O valor da parcela deve equivaler ao preço mensal do aluguel”, afirma. “Se a pessoa pensar que uma parcela mensal do financiamento custa 0,5% do valor do imóvel, poderia fazer um esforço maior para economizar o equivalente a mais um aluguel por mês comprar essa moradia em cerca de 10 anos aplicando o valor em caderneta de poupança ou títulos do governo”, exemplifica. Mas para isso seria preciso um esforço grande para cortar gastos supérfluos.

Segundo o consultor, seria preciso reduzir a ida ao cabeleireiro, os lanches e cafezinhos fora de casa, entre outros. “A manutenção do carro, por exemplo, é um item a ser considerado, ainda mais se a pessoa tiver dois.”

Se tiver pressa para realizar o sonho de ter uma casa, pode vender o carro e usar o valor como entrada ou reduzir o prazo de compra de um imóvel do exemplo acima de 10 para 7 ou 8 anos.

Evaldo Alves, professor de Economia da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV), ressalta que o ideal é obter um financiamento e destinar o dinheiro que antes ia para o aluguel ao pagamento das parcelas do financiamento. “O máximo a ser comprometido na renda é 30% com o pagamento do imóvel financiado para não comprometer os demais gastos da família e correr o risco de perder o controle”, aconselha.

“O financiamento é uma boa opção para quem tem pressa de morar no que é seu. O corte de gastos é importante para fazer uma poupança nessa fase de transição do aluguel para imóvel próprio e para custear a documentação da moradia.”

 

Fonte: //txt.jt.com.br/suplementos/imov/2010/05/14/imov-1.94.15.20100514.3.1.xml

 

Visite a Loja Virtual do Instituto DiSOP de Educação Financeira